CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA

CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA
CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA - SEDE

22 de set de 2009

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

como se alimentava o povo bíblico


Um amplo e detalhado trabalho de pesquisa dos textos sagrados da Bíblia deu origem a uma obra extremamente interessante.

De autoria de Naomi Goodman, Robert Marcus e Susan Woolhandler, Receitas Inspiradas da Bíblia (Editora Melhoramentos) traz, com profundo embasamento histórico, pratos experimentados por personagens bíblicos e pelos povos citados no Livro Sagrado.

A obra revela que os autores estudaram todas as passagens da Bíblia e souberam interpretar o que não ficou tão claro.

"Embora a Bíblia não dedique atenção especial aos alimentos que as pessoas consumiam nem a seu preparo, são raros os capítulos que não contenham alguma alusão aos vários tipos de alimentos da época ou ao modo como eram preparados e consumidos", afirma George M. Landes, doutor em Teologia e professor de Arqueologia Bíblica.

Assim, além de preciosas receitas, o leitor terá em mãos um excelente resgate da história sagrada.


A época referida na obra tem início no ano de 3000 a.C. e vai até o ano de 100 d.C. Os autores destacam que a culinária mencionada na Bíblia era extremamente saudável, sendo recomendada até hoje por médicos e nutricionistas.

Por exemplo, os pães eram preparados com cereais integrais, as pessoas tinham basicamente uma dieta vegetariana, com muitas frutas, legumes frescos e também bastante leite e seus derivados.

A carne vermelha só era ingerida em ocasiões especiais e o açúcar refinado ainda não existia. "Na Terra Prometida, que proporcionava leite e mel, trigo e uvas, cevada, figos e azeitonas em abundância, o povo bíblico construiu uma poderosa nação, fundamentada em exclusivos princípios religiosos.

Esses princípios, que inclusive disciplinavam a combinação e a manipulação de alimentos, proibiam o consumo de carne e laticínios numa mesma refeição, distinguindo a culinária hebraica das demais".

CURIOSIDADES - Entre as muitas curiosidades reveladas está a da rainha Ester. Segundo a lenda, ela só comia sementes, legumes e verduras, de acordo com os preceitos judaicos.

Porém, para livrar seu povo da morte, Ester decidiu impressionar o rei Assuero oferecendo-lhe um banquete com pratos persas, incluindo uma sopa de iogurte e almôndegas.

O povo da Bíblia consumia cereais em todas as refeições, de várias maneiras diferentes.
Também muitas cerimônias sagradas eram realizados com cereais.

"Rituais que utilizavam cereais eram parte das festividades.

A colheita da cevada ocorria no início da primavera, época da Páscoa; sete semanas depois, o trigo era colhido por ocasião do Pentecostes.

Feixes de trigo eram depositados sobre o altar de Deus em sinal de gratidão".

"Essa relação entre os propósitos de Deus e a produção de alimentos foi fundamental ao espírito daquele povo.

Nada do que acontecia na natureza era considerado casual."

Uma das receitas mais famosas da história, o Guisado de Esaú, também está em Receitas da Bíblia.

E até hoje, nos países onde viveu o povo bíblico, o prato leva o mesmo nome e é elaborado da mesma maneira.

Assim como o assado do Sabá.

Pelas leis vigentes, e de acordo com os Mandamentos, qualquer trabalho era proibido no sábado.

Então, no dia anterior, antes do pôr-do-sol, as mulheres preparavam e assavam o cordeiro que seria a refeição do dia seguinte.

"Os registros deste método de cozimento remontam à época do Segundo Templo, por volta do tempo em que Jesus viveu na Terra".

O PÃO NOSSO - Um dos alimentos mais citados em toda a Bíblia, entretanto, é o pão.

"Há vários trechos em que irmãos se reúnem para comê-lo, o pão é oferecido a um estranho, e Deus oferece pão a seu povo.

Jesus descreve a si mesmo como o Pão da Vida".

No início, o pão era feito sem lêvedo. No dia da colheita de cevada, havia a Festa dos Pães Ázimos.

Séculos depois, o sistema de refinamento usado no Egito, Mesopotâmia e em Roma deram mais sofisticação ao pão, que se tornou semelhante ao que se come hoje.

Com os egípcios, os hebreus também aprenderam técnicas mais avançadas para assar o pão.

"Os papiros do antigo Egito registram mais de trinta variedades de pão".

Os autores de Receitas da Bíblia afirmam que a receita do pão de Ezequiel é uma das mais especificadas da Bíblia.

"Foi o alimento que ajudou os judeus a sobreviver no terrível Cativeiro da Babilônia".

Já o consumo da carne de cordeiro tinha conotação espiritual para muitos povos do Crescente Fértil.

"Os hebreus consideravam-na uma fina iguaria.

Os egípcios devotavam um respeito tão grande ao leite e à lã que criaram tabus proibindo o consumo regular da carne de cordeiro".

A carne de cabrito também é citada na Bíblia, na passagem que fala sobre o retorno do filho pródigo, no Evangelho de Lucas.

As aves eram mais comuns na culinária hebraica.

As refeições incluíam uma grande variedade delas, como perdiz, pombo, galinha-d'angola, ganso, pato, codorna e pardal.

"A história dos bandos de codornas enviadas aos hebreus enquanto eles vagavam pelo Sinai (Números, 11,32; Êxodo, 16,13) tem relação com a migração periódica dessas aves até os dias de hoje.

Durante o inverno europeu, elas migram para o sul, voando sobre a Terra Santa.

A mudança do rumo do vento faz com que muitas delas caiam nas planícies do Sinai".

Há diversas citações sobre os peixes no Novo Testamento, um alimento bem popular entre o povo bíblico.

Segundo os autores do livro, a utilização do peixe como símbolo da igreja faz lembrar a antiga associação que os hebreus faziam entre o peixe e a vinda do Messias.

"Alguns hebreus acreditavam que o Messias viria à terra na forma de um grande peixe chamado Leviatã.

O consumo de peixe no Sabá originou-se das `ceias puras' em que ele geralmente era servido como símbolo de esperança no futuro"

Nenhum comentário: