CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA

CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA
CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA - SEDE

31 de ago de 2010

A Igreja Hoje

“E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais, dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.
Ef. 5:18-20.
(EF; 5:18-20)
Muitas mudanças profundas ocorreram nos últimos 40 anos nas igrejas Protestantes (inclusive nas Pentecostais) com relação aos cultos, e particularmente à adoração.
Muitas destas mudanças foram o resultado de um esforço consciente de livrar-se do ritualismo e liturgia e depender somente do Espírito Santo para manifestar a presença de Deus nos cultos Evangélicos e inspirar os crentes a adorarem ao Senhor.

O Movimento de Renovação.

Desde o surgimento do movimento de renovação entre os grupos protestantes nos Estados Unidos na década de 60, o entendimento do propósito do culto na igreja (de exaltar o Senhor), o estilo de culto (que antigamente era com reverência e gratidão) e em particular o estilo do louvor (que antigamente se concentrava em agradar ao Senhor) nas igrejas Protestantes (tradicionais e Pentecostais) tem mudado rapidamente.
As origens destas mudanças podem ser parcialmente identificadas nas conversões que aconteceram durante o Movimento de Jesus.

Nos anos 60, muitos jovens que tinham um estilo hippie vieram para a fé.
Entretanto, ao invés de terem toda a sua vida mudada pelo Espírito, eles conservaram algumas formas de comportamento e hábitos altamente informais de comunicação e de vestuário, o que se refletiu na forma adotada de cultuar o Senhor.

Eles também trouxeram consigo os estilos das músicas mundanas aos quais estavam acostumados, e acima de tudo, um estilo de apresentação performático.
Eles e não o Espírito Santo eram responsáveis pela extrema informalidade conducente à falta de reverência no modo de vestir e no comportamento nos cultos, e particularmente no estilo de louvor adotado nas últimas décadas pela maioria das igrejas ditas renovadas.
Este estilo de louvor já chegou às igrejas Pentecostais e mesmo às igrejas Evangélicas, que os usam na tentativa de atrair jovens.
Eles deveriam ter sido ajudados por pastores com discernimento, mas, em muitos casos, isto não aconteceu.

2. Abordagem individual à adoração.

Havia entre eles uma abordagem individual com relação ao culto, e particularmente à adoração. Enfatizava-se a liberdade na maneira que as pessoas queriam louvar, o que significava, na prática, liberdade para a carne.
Eles confundiam liberdade para o Espírito realizar o que queria com liberdade para que as pessoas expressassem suas emoções da maneira que achassem adequada.
Eles pensavam, por exemplo, que qualquer desejo repentino de bater palmas, pular, dançar ou cair no chão “para adorar o Senhor” era necessariamente o resultado de um impulso do Espírito Santo.

Dali por diante, pular, dançar e bater palmas começou a ser usado como meios de levar os “adoradores” a um estado de bênção.
Ao invés de serem visitados pelo Espírito Santo, e como conseqüência manifestar estas maneiras de adoração, começaram a praticar estes movimentos físicos para mover o Espírito Santo a visitá-los o contrário da idéia original.

Eles também entendiam que a crítica à sua maneira de adoração significava a crítica ao Espírito Santo.
Este entendimento contribuiu para evitar qualquer tipo de julgamento sobre qualquer nova maneira de adoração.
Uma interpretação de um verso isolado do Velho Testamento era suficiente para justificar uma nova prática, uma nova maneira de adorar.

As coisas evoluíram e mesmo que não houvesse uma justificativa bíblica para a prática, eles ainda a adotavam.
No final, começara a mudar os 1950 anos de teologia da Igreja para justificar suas novas práticas:
a atitude geral era de que alguém não devia procurar embasamento bíblico para novas práticas porque a Bíblia somente dá “linhas gerais”.

Assim, a experiência começou a ser enfatizada em detrimento de ensinamentos claros da Palavra de Deus.
Conseqüentemente, um padrão de tolerância com relação a novas práticas de adoração e comportamento nos cultos na igreja começou a ser estabelecido nas igrejas do Movimento de Renovação.

3. Falta de reverência e ordem.

Mais tarde, todos os tipos de atitude para expressar reverência e ordem nos cultos nas igrejas começaram a ser vistas como ritualistas e vazias.
Em seu lugar deveria haver completa liberdade para cada crente se comportar como “se sentisse tocado pelo Espírito Santo”, como se todos estivessem cheios do Espírito, e fossem capazes de ouvir e discernir a voz do Senhor, como se fossem maduros o suficiente para conferir se aquele comportamento era aceitável e agradável ao Senhor.

Como resultado, um clima informal de comportamento, uma familiaridade excessiva com o Senhor e com o Espírito Santo começou a substituir a reverência necessária, o temor e o tremor diante do Senhor, que são claros ensinamentos do Velho e do Novo Testamento.

Em algumas igrejas, o desejável temor e reverência perante o Senhor tende a ser substituído por uma completa informalidade ao se referir ao Senhor e adorá-lo.
Em muitos meios da chamada Renovação, o temor for substituído por uma falta de reverência e por uma indevida, e, portanto chocante intimidade com o Senhor.
Jesus começou a ser tratado pelos adoradores como um seu igual, como um colega.
Outros começaram a se referir ao Espírito Santo com um excesso de intimidade.

4. Pastores despreparados e inseguros.

Naquela época não havia pastores devidamente preparados para pastorear os rebanhos com as armas do Espírito Santo, com discernimento e sabedoria.
Aqueles pastores haviam sido treinados em seminários onde não havia ensinamentos sobre como colocar em ordem os dons espirituais na igreja local, nem sobre como distinguir a manifestação do Espírito de uma expressão da emoção humana (pensamentos e sentimentos humanos).

A maioria destes pastores não tinha uma formação Pentecostal; eles vinham de igrejas Protestantes tradicionais e históricas.
Seus professores nos seminários não pertenciam a igrejas onde havia rotineiras manifestações dos dons espirituais.
Além do mais, eles nem mesmo era usados nos dons espirituais, o que os tornava totalmente incapazes de ensinar sobre este assunto com autoridade.
Aqueles professores não tinham o conhecimento de como julgar as profecias ou como testá-las para saber se vinham do Espírito Santo ou do homem.

Aqueles pastores também tinham medo de desagradar as suas congregações.
Isto se devia, em parte, ao resultado da maneira democrática de escolha dos pastores: por eleições democráticas e não por uma escolha do Espírito Santo.
Estes pastores tinham que satisfazer suas congregações mesmo às custas da desobediência ao Senhor para manterem seus empregos.

Por outro lado, êles não dirigiam as suas igrejas diligentemente por causa de um entendimento errôneo a respeito da unção do Espírito Santo:
a unção dada a um pastor era considerada a mesma unção que o Senhor dava a outros cristãos para desempenharem outras funções na igreja.
Eles não entendiam que haviam recebido autoridade para dirigir a Igreja e mais discernimento e sabedoria do que os membros comuns da congregação como parte da unção.
Os pastores, então, se tornaram inseguros em sua função de pastorear o rebanho.

5. Falta de discernimento.

Naquela época, uma grande preocupação dominava aquelas igrejas:
não atrapalhar o que Espírito Santo estava operando.
Como os pastores não tinham discernimento sobre o que estava promovendo a edificação das igrejas, e não conseguiam distinguir entre a Obra genuína do Espírito e reações humanas à Obra do Espírito, admitia-se tudo.
Não se ensinava os limites ou princípios para estabelecer a ordem e a decência (I Cor. 14:40) no culto ou no louvor na igreja.
Na prática, aqueles que se convertiam se tornavam “ovelhas sem pastor”.

Na década de 80, um pastor de Indiana enviou um grupo de anciãos para outra cidade para examinarem certo movimento espiritual e trazer um relatório sobre as manifestações espirituais que ali ocorriam.
O relatório foi o seguinte:
“há manifestações que são do Espírito e outras que não são”.
Mas eles não ousaram dizer quais eram e quais não eram provenientes do Espírito.
A razão era que eles não tinham discernimento e estavam, portanto, com medo de errar e desagradar o Senhor.

6. Hábitos de vestuário.

À medida que o Senhor salvava muitos do movimento hippie, os pastores ficavam tão felizes pela salvação deles que tinham medo de desagradá-los de alguma forma ensinando-os como se vestir e se comportarem apropriadamente em um culto na igreja.
Por isso, e por falta de discernimento, optavam por não instruir aqueles novos convertidos ensinando-os sobre a transformação completa das vidas daqueles que aceitam Jesus como Senhor e Salvador, sobre o desejo de Jesus de se revelar ao mundo através de nós ou sobre a necessidade de vivermos para a glória do Senhor.

Os hippies que se convertiam nas praias da Califórnia e não o Espírito Santo foram os responsáveis pelo uso de bermudas, camisetas e sandálias de praia nos cultos, pela prática de se tomar bebidas e comer pipocas durante os cultos (durante o período de louvor e da pregação) e esta prática se espalhou pelas igrejas de Renovação.
Elas foram de um extremo a outro:
ao invés de regras de vestimentas, optavam pela informalidade sem limites razoáveis e sem discernimento.
É claro que nunca foram alertados que todas as coisas nos são permitidas, mas nem tudo nos convém porque muitas coisas não promovem a edificação da igreja.

7. Liberdade.
Louvor performático.

Na área do louvor, não havia somente a liberdade para qualquer crente adorar ao Senhor como preferisse, mas havia também a liberdade de transformar o culto em uma espécie de show.
O coro tradicional deu lugar a um grupo de louvor que era desnecessariamente colocado em frente à congregação em um palco, cantando e agindo como astros da música popular, como se eles próprios estivessem se apresentando a uma congregação, não ao Senhor.
Posteriormente, em algumas congregações, até mesmo grupos de dançarinos agitando bandeiras foram acrescentados ao palco.
Considerando que sua atividade tem o objetivo de adorar o Senhor, torna-se difícil justificar o fato de que eles cantam, dançam e tocam instrumentos no palco voltados para a congregação.

As igrejas começaram a reagir à apresentação desses grupos com aplausos, exatamente como platéias reagem depois de shows de artistas populares seculares.
E mais:
começaram a agradecer a eles pela apresentação, como se esses grupos estivessem no palco para entreter a congregação e, assim, esperassem um reconhecimento da platéia.
Esqueceram-se de que, pelo menos em teoria, estavam cantando juntamente com a congregação para adorar o Senhor e agradá-Lo, esperando o reconhecimento do próprio Senhor.

8. Influência sobre outros países.

Os missionários e evangelistas carismáticos norte-americanos que foram trabalhar no exterior começaram a divulgar esse tipo de “louvor emocional” e “louvor no palco” em outros países.
As novas igrejas iniciadas por eles adotaram esse tipo de louvor como se fosse o único que desse “liberdade ao Espírito” e como se tivesse sido revelado pelo Senhor à Igreja de hoje.

Esta influência ultrapassou as novas igrejas iniciadas por esses missionários e evangelistas, atingindo Igrejas pentecostais que foram iniciadas a partir dos anos 90 e até mesmo congregações pentecostais tradicionais em diferentes partes do mundo, inclusive na Europa Oriental e nos países da antiga União Soviética.

Princípios Bíblicos sobre Louvor

1. Louvor ao longo da História.

Sobre este assunto da adoração ao Senhor em cultos públicos, tem-se que ter sempre em mente que os verdadeiros adoradores não surgiram na igreja com o Movimento de Renovação.
Se alguém disser isto, estará negando que sempre houve uma igreja fiel durante toda a história, que sempre foi capaz de agradar ao Senhor.
Também estaria negando que o Senhor sempre foi vitorioso, sempre contando com uma Igreja fiel.

Não se pode descartar a maneira que o Senhor tem sido adorado pela Igreja fiel e mesmo pelos movimentos Pentecostais nos seus melhores momentos, mesmo antes do surgimento desses movimentos de renovação espiritual.
Uma evidência desta realidade são os hinos com letras profundas que edificam a igreja e exaltam o Senhor de uma maneira que os hinos que apareceram nos últimos 30 anos raramente alcançam.

É claro que sempre houve uma igreja espiritualmente vazia que não tinha graça e que substituía a operação do Espírito Santo por uma liturgia vazia.
Entretanto, sempre houve uma Igreja fiel que louvava o Senhor de uma forma que lhe é agradável, especialmente nos tempos de avivamento da fé e, particularmente, desde que o Senhor começou a derramar do Seu Espírito sobre toda a carne a partir da segunda metade do século XIX (o movimento pentecostal).

A maneira de adorar que passamos a considerar não é só bíblica, mas atualmente tem sido vivida por Igrejas que aprenderam a adorar ao Senhor em espírito e em verdade.
O Senhor manifesta Sua satisfação com o louvor destas Igrejas e, em resposta, as edifica.

Vale notar, a esse respeito, que, quando o Espírito Santo, por intermédio do Apóstolo Paulo, decidiu revelar à Igreja como deveria desenvolver-se um culto de adoração, Ele se refere, em I Cor 14:23-32, apenas a dons espirituais (línguas, revelação, interpretação), a louvores por meio de Salmos e ao ensino, dando instruções específicas sobre como os dons devem ser usados com sabedoria, sendo julgados e utilizados com decência e ordem (versículo 40).
Ele nada diz sobre a posição em que os crentes devem cantar (sentados, prostrados, em pé), nem sobre expressões corporais (mãos levantadas, palmas, dança, etc.).
Isso, por que o importante em um culto, do ponto de vista do adorador, é o coração, é uma adoração em espírito e em verdade, e, do ponto de vista de Deus, é Sua capacidade de falar ao Seu povo, para edificá-lo e dirigi-lo.

2. Propósito:
adorar ao Senhor.

O objetivo principal da existência da Igreja e de cada membro em particular é o de adorar o Senhor proclamando as suas virtudes e graças e manifestar nossa gratidão por suas misericórdias e dádivas.
Este é também o objetivo de cada culto em uma igreja verdadeiramente Cristã.

Quando a Igreja se reúne em um culto, o propósito não é o de se ter um período abençoado, buscar prazer espiritual tal como a alegria do Senhor, ou mesmo de receber bênçãos específicas, mas seu objetivo é o de adorar o Senhor por Sua majestade e senhorio, de manifestar gratidão por Suas bênçãos.

3. Inspiração:
agradar ao Senhor.

A Igreja não louva para agradar a si mesma (agradar a carne), ou porque é agradável a ela ser visitada pelo Espírito Santo.
A Igreja louva para agradar ao Senhor, que é o foco do culto.
A preocupação principal da Igreja em um culto é agradá-Lo.

Em nenhum lugar a Bíblia diz que os crentes devem louvá-Lo da forma que os agrada.
Todos os ensinamentos bíblicos mandam adorá-Lo como Ele quer.
“Deus busca adoradores que O adorem em Espírito e em verdade”.
A verdadeira adoração tem que ser dirigida pelo Espírito Santo, que exalte somente Deus o Pai e o Senhor Jesus.

Apesar destes ensinamentos, em alguns movimentos cristãos hoje em dia, há ainda o entendimento de que o período de louvor deve ser agradável à igreja, eles devem se divertir, ter prazer, sentir-se bem.
É por isto que há o incentivo em muitas igrejas para os crentes fazerem o que lhes agrada durante o período de louvor.

Entretanto, a sensação da presença de Deus, a alegria e o amor que enche seus corações deve ser só um subproduto da verdadeira adoração, e não um fim por si só.
Devemos nos regozijar porque o Senhor está sendo exaltado e porque Sua graça está sendo anunciada, não porque gostamos de nos sentir bem.

4. Atitude:
reverência e temor do Senhor.

A Bíblia nos diz que devemos ter uma atitude de reverência quando entramos na presença do Senhor.
Lembre-mo-nos da experiência de Moisés quando Deus mandou que tirasse as suas sandálias porque estava em terra santa. No livro de Hebreus, aprendemos que pelo sangue de Jesus temos a ousadia de entrarmos na Sua presença.
Mas o mesmo livro nos ensina que temos que ter temor em Sua presença, porque Deus é fogo consumidor
(Heb. 12:28-29).

Uma atitude de reverência diante do Senhor pode demonstrar o temor do Senhor (o princípio da sabedoria, Prov. 1:7) que é compatível com o amor e a confiança em sua misericórdia e que, portanto é exigido de todos os crentes pela Palavra de Deus.
Deus não mudou de acordo com os tempos modernos
(Mal. 3:6).

A reverência é manifesta por uma atitude compatível, no comportamento e mesmo na maneira que alguém se veste.
A reverência exige uma atitude especial ao nos aproximarmos do trono do Deus vivo
(Ex. 3:5).
Mesmo que, em certo sentido, vivamos na presença de Deus e Jesus viva em nós através do Espírito Santo, ao chegarmos a um culto para adorar o Senhor junto com a Igreja, este é um evento especial para os crentes e para o Senhor.
Temos um encontro especial com o Senhor.
Ele se manifesta de uma maneira especial em cada culto
(Mat. 18:20).
A aparência externa deve refletir a realidade da reverência interior.

Nosso Pai Celestial pode aceitar a adoração de novos convertidos que ainda não foram devidamente instruídos sobre temor e reverência.
Mas para se oferecer um louvor que seja perfeitamente digno do Senhor, o crente deve aprender a louvar com todos estes sentimentos em seu coração.

5. Movidos por gratidão e amor.

A Igreja também deve adorar com amor e gratidão em seu coração (I Tês. 5:18).
Se estes elementos não estiverem presentes, o crente não pode adorar ao Senhor.

Em alguns meios as pessoas criam que os cristãos deveriam manifestar no culto ao Senhor o mesmo tipo de emoção que as pessoas manifestam em concertos de rock ou jogos de futebol quando aplaudem seus ídolos ou os seus feitos.
Isto não é correto porque estas manifestações são próprias para expressarem emoções profanas; são frutos de sentimentos da carne.

Os sentimentos provocados pelo Espírito Santo têm que ser expressos pelo coração:
o Senhor não olha a aparência exterior de uma pessoa, mas para o seu coração
I Sam. 16:7).
Portanto, aqueles sentimentos santos devem ser expressos com oração, salmos e cânticos espirituais com todo o nosso coração e com toda a nossa alma
(Ef. 5:19-20).
No Novo Testamento, estas são as únicas exigências aos crentes.

6. Resultados:
visitação do Espírito Santo e alegria do Senhor.

Não se deve confundir causa e efeito.
Ao chegarmos à presença do Senhor, podemos ainda não estar dispostos ao louvor por causa de preocupações com as nossas vidas diárias, etc.
É por isto que devemos iniciar todos os cultos com um momento de contrição, confessando os nossos pecados ao Senhor, pedindo perdão, e pedindo que o Espírito Santo crie em nós a disposição para o louvor, colocando verdadeira gratidão em nossos corações.
Em resposta às orações da Igreja, o Espírito Santo visita os crentes lhes dando a condição espiritual para adorar o Senhor, colocando reverência, temor, amor e gratidão nos corações dos servos.

Então, a Igreja é capaz de começar a louvar o Senhor em espírito e em verdade, porque o Senhor habita nos louvores de Israel (Ps. 22:3).
À medida que a Igreja continua a louvar, a alegria do Senhor se manifesta cada vez mais no seu meio e há ainda mais disposição para adorá-Lo.

7. Deus olha o coração.

No Novo Testamento, não há ensinamentos específicos sobre a posição das pessoas quando a Igreja louva o Senhor.
Quando Jesus fala de adoração, Ele menciona que deve ser “em Espírito e em verdade”
(Jo. 4:23-24).
Paulo diz que tudo em nossos cultos deve ser feito com “ordem e decência”
(I Cor. 14:40).

Entretanto, nesta área deve-se aplicar alguns princípios bíblicos.
Um princípio que pode ter sido esquecido nas igrejas Cristãs é o fato de que o Senhor está mais preocupado com a condição de nossos corações do que com os movimentos externos de nossos corpos quando O adoramos.
É claro que se pode dizer que se a Bíblia diz que os servos devem vir diante do Senhor com reverência e temor, a posição de seus corpos deve ser condizente com estes sentimentos.

No Velho Testamento, o Senhor diz a Samuel que não vê como vê o homem. O homem vê a aparência exterior enquanto que o Senhor vê o coração.
Pode-se transferir a lição para a área da adoração e dizer:
quando os servos O adoram, Ele espera ser adorado com louvor e gratidão, reverência e temor, com todo o coração, a alma e o entendimento.

Se alguém não tem a direção do Espírito, ele pode errar considerando as experiências que Israel teve no tempo do Velho Testamento e estabelecer um código de adoração para a Igreja.
Este seria, contudo, um mau uso do Velho Testamento.

8. Somente vidas transformadas são dignas de adorá-Lo.

Uma forma excessivamente informal de vestir nos cultos e uma indevida intimidade ao se dirigir ao Senhor refletem a falta de conhecimento sobre como devemos nos apresentar diante do Senhor. Também revelam que o processo de transformação que o Espírito Santo está operando na vida de alguém ainda está em um estágio inicial ou mesmo que foi interrompido.

A Igreja deve ser ensinada que quando alguém se converte ao Senhor, deve abandonar as velhas maneiras de vestir, falar e se comportar ensinadas pelo mundo e que às vezes chegam a ser até imorais.
Os pastores devem aprender a ter coragem de ensinar aos novos crentes sobre este assunto.
Quando se aprende sobre a história da Igreja, aprende-se que a Igreja fiel sempre se preocupou com isto.

9. Preparo espiritual.

Por outro lado, a Igreja tem descurado a importância do preparo espiritual dos instrumentistas e cantores, dando maior importância à capacitação técnica.
A beleza estética, que estimula as emoções, passou a ser considerada suficiente para tocar os sentimentos da congregação durante o louvor.

No entanto, o Senhor tem revelado à Sua Igreja que, para que instrumentistas e cantores de um coro ou grupo de louvor possam Lhe louvar, é indispensável que eles estejam vivendo em santificação, dando um bom testemunho à Igreja e ao mundo.
Eles devem também se preparar para o louvor com oração e jejum.
A importância do louvor requer tal preparo espiritual para que vidas possam ser usadas como instrumentistas ou cantores.

Dessa forma, quando um grupo de louvor cantores e instrumentistas é usado pelo Senhor, o Espírito Santo visita a congregação, operando curas e libertações, conforme ocorria quando David tangia sua harpa (I Sam. 16:23).
A Igreja aprendeu, assim, que a capacitação espiritual vem em primeiro lugar; a capacidade de tocar com técnica e arte vem em segundo lugar
(Sal. 33:3).

Louvor sem Limites Bíblicos

1. Bíblia:
única regra de fé e prática.

A Bíblia deve ser a única fonte de doutrina e prática.
Ensinamentos bíblicos evitam que deixemos os limites seguros estabelecidos pelo Senhor para o desenvolvimento de nossas vidas espirituais.
Entretanto, a tendência de muitos setores do Movimento de Renovação tem sido de minimizar a importância dos limites bíblicos por falta de conhecimento da segurança que a Bíblia oferece a cada um dos crentes.
Ademais, eles tendem a basear parte da sua fé e de usa prática na experiência e não somente na Bíblia.

2. Possíveis erros.

Na área do louvor, estas atitudes com relação à Bíblia permitiram que se cometessem outros erros:

a) Ignorar a importância do louvor da Igreja fiel por toda a história; por falta de conhecimento da história da Igreja, os ditos renovados tendem a pensar que a verdadeira adoração apareceu na Igreja como resultado do movimento de renovação;

b) Basear a doutrina do louvor em “experiências” de pessoas que eles consideram ser, ou mesmo são, muito espirituais.

3. Perigo do fogo estranho.

O louvor performático (no palco), acompanhado de música executada de forma a estimular emoções e sentimentos “espirituais”, conforme acima referido, passou a substituir, frequentemente, o verdadeiro fogo do Espírito Santo.
Trata-se de um tipo de louvor que promove sentimentos quer o Espírito Santo esteja operando, quer não; uma forma de louvor que atinge as emoções quer seja entoado em um templo verdadeiramente cristão quer em um templo de outra religião, quer seus executantes estejam vivendo em santificação quer estejam vivendo no pecado.

No entanto, o Senhor não se agrada do apelo às emoções por esses meios.
O Senhor os designa de “fogo estranho” (Lev. 10:1-3).
Apenas o Espírito Santo deve estimular as emoções dos fiéis; o Espírito Santo é suficiente para promover sentimentos de louvor e adoração nos corações dos crentes, gerando gratidão e o desejo de exaltar o nome do Senhor Jesus.

4. Misticismo.

Como conseqüência destes erros, a Igreja era incapaz de oferecer uma adoração verdadeira.
Por isso, a Igreja começou a sofrer alguns problemas.
Primeiro, a falta de adoração espiritual dentro dos limites bíblicos começou a levar muitos servos ao misticismo.
Por misticismo queremos dizer permitir experiências no âmbito espiritual que não sancionadas pelas Escrituras.
Acolher estas experiências místicas sem o aval bíblico sobre a sua origem santa teve o resultado indesejado de permitir que espíritos enganadores se manifestassem em seu meio.
A única garantia contra o misticismo e esta conseqüência perniciosa é a de se manter dentro dos limites bíblicos.

Finalmente, as experiências místicas podem até, em um primeiro estágio, agradar aos adoradores inocentes que podem até se sentir bem a respeito delas.
Mas no longo prazo resultarão em opressão ao crente, não importa quão sincero ele seja.

O conteúdo do período de louvor

1. Hinos de louvor cantados pela congregação.

A igreja deve estar alerta para cantar hinos que contenham uma mensagem profunda, apresentem um conteúdo mais espiritual que edifique o crente e que também o estimule a adorar; ou seja, um hino através do qual o Espírito Santo possa operar da sua maneira no coração do crente.

A Igreja não precisa repetir um hino muitas vezes como se fosse agradar mais ao Senhor ou, na pior das hipóteses, permitir ao Espírito Santo trabalhar mais na vida do adorador para que ele ou ela sinta mais alegria e outros sentimentos bons.
Isto é perigoso porque técnicas religiosas modernas de religiões místicas usam este tipo de repetição interminável porque sabem como a repetição de uma mesma melodia ou ritmo tende a criar uma atmosfera que faz com que as pessoas sintam emoções que as farão crer que poderes sobrenaturais estejam agindo.

A Igreja não precisa destas técnicas para criar emoções. Ao cantar um hino inspirado pelo Espírito Santo uma vez (baseado em ensinamentos bíblicos) de uma maneira simples, sem sofisticação, mesmo que tocado por um conjunto sem técnica.
O Espírito Santo age e edifica os crentes fortalecendo a sua fé na presença do Senhor, fazendo com que O louvem de todo o seu coração e com todo o seu entendimento, desde que a Igreja viva em santificação e, particularmente, o grupo de instrumentistas e cantores tenha um bom testemunho, ore e jejue por sua atividade na Igreja.

2. Acompanhamento por instrumentistas no Espírito.

O Senhor mostrou que, ao contrário, deveríamos estar preocupados em adorá-Lo.
Portanto, a condição espiritual dos membros do grupo de louvor deve ser de importância fundamental.
A habilidade técnica deve vir em segundo lugar.
A razão é simples: o Senhor quer que o Espírito Santo se mova no meio da congregação como resultado do louvor dos instrumentistas e cantores.

3. Orações de louvor pela congregação.

Durante o período de louvor, o Senhor se agrada em receber o louvor através de orações de todos os tipos de servos na congregação: crianças, jovens, adultos e idosos.
O Senhor se satisfaz não só com orações do grupo de louvor e do pastor, mas também dos crentes de uma maneira geral.

4. Uma atitude proporcional à operação do Espírito.

Quando a Igreja se reúne para adorar o Senhor em um culto regular, seus membros geralmente não estão ainda preparados espiritualmente para oferecer um louvor verdadeiramente no Espírito.
É preciso, portanto, um período inicial de contrição quando é dada a oportunidade para que possam confessar seus pecados e buscar livramento de preocupações com problemas, para que possam concentrar-se no louvor ao Senhor.

Por essa razão, no período inicial do culto o Espírito Santo normalmente não manifesta a presença de Deus poderosamente na Igreja como um todo.
Consequentemente, a adoração deve ser moderada, sendo entoados hinos que convidem os fiéis a “entrar na presença de Deus”.
Assim, nesse período inicial do culto a Igreja não deve ser estimulada a louvor com grande fervor, como se o Espírito Santo já estivesse operando poderosamente em seu meio.
Isso representaria trazer “fogo estranho” à presença do Senhor.

Mas logo que o Espírito Santo começa a tocar e libertar a congregação, Ele a moverá a louvor de uma forma mais livre e calorosa que refletirá essa visitação.
Mesmo então, os crentes devem ser cautelosos em controlar seu comportamento de forma a não chamar a atenção sobre si mesmos, pois durante um culto eles devem concentrar sua atenção apenas no Senhor Jesus, evitando comportamentos bizarros que levem os visitantes a acreditar que perderam a razão ou o bom senso.

5. A maneira de adorar deve ser compatível com o culto público.

Se eu estou em casa adorando ao Senhor sozinho, tenho liberdade de adorá-Lo de uma maneira mais livre.
Posso me prostrar com o meu rosto no chão; posso dançar de felicidade.
Mas se estou em um culto público, eu devo ter cuidado com
(1) ordem no culto
(I Cor. 14:40),
(2) não perturbar outros e
(3) não escandalizar os visitantes, que podem pensar que não estou no meu juizo normal
(I Cor. 14:23, 29-33).

6. Emoções humanas não tocam o coração do Senhor.

Considere-se o exemplo da arca no meio de Israel nos tempos de Eli e Samuel, quando foi tomada dos Filisteus (I Sam. 4:3-11).
O Senhor não foi tocado, não manifestou Sua presença graciosa no meio de Israel quando os Israelitas trouxeram a Arca e se regozijaram e gritaram porque estavam convencidos que o Senhor estava entre eles.
Eles tinham “fé” e entusiasmo, mas o Senhor não estava entre eles porque eles não viviam em santificação, agradando ao Senhor.

Conclusão

O Senhor aceita os louvores de Seu povo somente quando os instrumentistas e os cantores por um lado, e a congregação de outro, estão vivendo no Espírito, em santificação e em obediência ao Senhor e vêm ao culto com gratidão em seu coração para louvar ao Senhor.

Para começarem a cantar ao Senhor e oferecerem orações de glorificação e gratidão, os crentes devem demonstrar reverência, temor do Senhor e amor pelo Senhor.
Eles devem, ainda, estar em comunhão uns com os outros e estar servindo o Senhor.

Quando o culto começa, os crentes devem buscar uma comunhão mais profunda com o Senhor através do poder do sangue de Jesus, que limpa os crentes de todo o pecado.
Só então o Senhor aceitará o seu louvor e visitará e edificará o Seu povo.


Quando o Espírito Santo, decidiu revelar à Igreja como deveria desenvolver-se um culto ao Senhor, Ele se refere, em I Cor 14:23-32, apenas a dons espirituais
(línguas, revelação, interpretação), a louvores por meio de Salmos e ao ensino, dando instruções específicas sobre como os dons devem ser usados com sabedoria, sendo julgados e utilizados com decência e ordem (versículo 40).
Ele nada diz sobre a posição em que os crentes devem cantar (sentados, prostrados, em pé), nem sobre expressões corporais (mãos levantadas, palmas, dança, etc.).

O primordial em um culto oferecido pela Igreja ao Senhor é que o crente se apresente como um verdadeiro adorador, pronto a adorá-lo em espírito e em verdade.
Quanto a Deus, o fundamental em um culto é a possibilidade de que Ele fale ao Seu povo, edificando-o e corrigindo-o.
Essa adoração abre o caminho para que o Senhor possa manifestar Sua glória, expressando-se por meio dos dons espirituais, inclusive com sinais que levam à salvação dos descrentes.

Nenhum comentário: