CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA

CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA
CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA - SEDE

05/11/2009

O Que Significa a Expressão: “Em caso de Infidelidade?”


1. Em Mateus 5:32 está escrito:
“Qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de infidelidade, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada comete adultério”.

2. O que significa a palavra “exceto”?
Significa que “somente haverá uma condição para se divorciar”.

Qual seria esta condição?
O texto diz claramente na versão da Imprensa Bíblica Brasileira:
“caso de infidelidade”.
O texto é muito claro que em casos de infidelidade é autorizado por Deus dar Carta de Divórcio a um cônjuge infiel.
Fica proibido claramente, neste texto que se case alguém com a parte que foi “repudiada” ou “divorciada”, pois isto seria considerado adultério.
A pessoa culpada de infidelidade não poderá casar-se nunca mais, enquanto a parte inocente, e isto é claro, poderá casar-se.
Por que isto é claro?
Porque Jesus considera a possibilidade de que (mesmo sendo um erro) a repudiada se casasse.

Como Entender os Textos Difíceis Sobre a Questão do Divórcio?

Alguns textos da Bíblia servem de base para se pretender ensinar que o casamento é indissolúvel.
Pretende-se ensinar a indissolubilidade do casamento como regra para se caracterizar os que são adúlteros e os que não o são, quando há um divórcio e um segundo casamento.

Não podemos concordar com esta posição porque Jesus, que permitia o divórcio e o segundo casamento (e até mais do que um segundo) no Velho Testamento, no Novo Testamento determinou que “em casos de infidelidade”, somente a parte inocente podia casar-se uma segunda vez, sem constrangimento e infidelidade.
Isso significa algo que vai muito além do adultério sexual.

Quais são os principais textos usados para se ensinar diferentemente do que temos exposto?
Como entendê-los?
A seguir passaremos aos sete textos usados com grande freqüência na defesa da indissolubilidade do casamento.


O primeiro texto é o de 1º Coríntios 7:10-15, e diz o seguinte:
“Todavia aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se aparte do marido; se, porém, se apartar, que fique sem casar ou se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher.
Mas aos outros digo eu, não o Senhor: se algum irmão tem mulher incrédula, e ela consente em habitar com ele, não se separe dela.
E se alguma mulher tem marido incrédulo, e ele consente em habitar com ela, não se separe dele.
Porque o marido incrédulo é santificado pela mulher, e a mulher incrédula é santificada pelo marido crente; de outro modo vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos.
Mas, se o incrédulo se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou a irmã não está sujeito à servidão; pois Deus nos chamou em paz”.
Por que a parte inocente pode casar-se novamente, mas a culpada não o pode fazer?


A interpretação equivocada que fazem deste texto é a seguinte:
O cônjuge não pode se separar do outro enquanto estiver vivo;
Se houver separação, então não pode casar-se;
Deve passar toda a vida buscando a reconciliação;
O fato de que um dos dois é incrédulo estabelece a obrigatoriedade de que o crente suporte os desencontros que haverá;
Somente o incrédulo pode se apartar livremente, e assim o crente sairia do sofrimento e viveria em paz, mas não poderia casar-se sob hipótese alguma, antes, viver em busca da reconciliação (mesmo que este incrédulo fosse um adúltero).
Conseqüências de se crer nisto e viver assim:
O crente será traído pela parte incrédula toda a vida e estará condenado a viver solitário (mesmo que Deus na criação tenha dito que não é bom viver só);
O crente viverá uma vida pior do que a de qualquer israelita do Velho Testamento, pois, no Velho Testamento (a velha aliança) era dado ao israelita o direito de se ver livre da adúltera.
Agora, porém, o homem deve viver tendo sua “outra metade” desonrando-o e mesmo assim tendo que engolir tudo sem nenhuma reação.
Nossa posição quanto a esta interpretação é a de que ela simplesmente representaria uma das coisas mais injustas, desonrosas (não santas) e imbecis que já ouvimos sobre vida cristã.
E mostramos por quê.
Paulo está dizendo claramente o seguinte:
(verso 11) – “se, porém, se apartar” – então há a possibilidade de que se Divorciassem sim;
“que fique sem casar” – então há a autorização para se casar uma segunda vez sim, mas, como Paulo mesmo disse no verso 7:
“contudo quereria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom".
“ou se reconcilie com o marido” – a expressão “ou se” é uma condição.
Qual a condição que Paulo oferece?
Ou não se casa, ou se reconcilia com o marido.
Por que não disse: “não se separe nunca e fique agüentando tudo?
” Porque era possível se separar.
Imaginar que a expressão de Paulo não significa o que de fato ela representa, é erro grosseiro.
Quando ele diz: “separar”, está dizendo, na cultura da época: “divorciar e repudiar”, “abandonar e deixar”, ou melhor “fim do casamento”.
Não falamos ainda sobre a questão das razões, mas do fato em si.
Nas Escrituras, o divórcio separava o casal definitivamente.
O fato de que a mulher (ou homem) havia obtido o divórcio na dita separação está implícito na expressão de “não se casar novamente”.
Mas, por que motivo poderia um dos cônjuges casar novamente?
Por causa de infidelidade!
Isto é muito claro em Mateus 5:32 e 19:9.
Havia, pelo menos, uma exceção à regra.
Afora isto, o divórcio poderia até ocorrer, mas diante do Senhor não valeria nada e o ideal seria a reconciliação.
Aí entra Paulo com uma segunda exceção, nova ao texto escriturístico anterior, dizendo o seguinte:
“mas, se o incrédulo se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou a irmã, não está sujeito à servidão; pois Deus nos chamou em paz”
Ora, então se eu sou crente e minha mulher me deixa pela razão mencionada no verso anterior, ou seja, “qualquer motivo que ela queira” (pois não se diz por qual motivo ela poderia fazer isto), eu estou autorizado a “sair da sujeição”.
Que sujeição é esta?
O casamento.
Por que é o casamento?
Leia-se o verso 3, 4 onde diz que o “homem não tem autoridade sobre o seu próprio corpo” (e vice-versa).
Imaginemos esta situação: o marido é um pervertido sexual, incrédulo, faz sexo com muitas mulheres e é violento.
A mulher crente deverá viver com esta besta-fera?
Se a resposta for sim, então que tipo de Deus é este em que os adeptos da indissolubilidade do casamento crêem?
Teria que o crente ser uma só carne com um cônjuge adúltero ou infiel em outros sentidos?
Ora, isto contraria o que determinou Paulo: “Tomarei, pois, os membros de Cristo, e os farei membros de uma meretriz?
De modo nenhum.
Ou não sabeis que o que se une a uma meretriz, faz-se um corpo com ela?
Porque como foi dito, os dois serão uma só carne” (Romanos 7:15, 16).
E não disse Paulo que os crentes que são “abandonados” (evidentemente por qualquer motivo que necessariamente não é o sexual) podem sair da “servidão” do casamento? Não admitir isto é ser deturpador do texto.
Eis o que argumentam alguns dos apologistas da indissolubilidade do casamento:
“se o sair da servidão significa autorização para o divórcio, então há uma contradição com os textos de Mateus 5:32 e 19:9 que só permitem os casos de adultério”.
Mas, alegramo-nos de ver que nossa compreensão é correta exatamente neste ponto.
Se a palavra correta fosse “adultério”, tudo bem, estaríamos errados.
Mas Paulo fala do abandono do incrédulo, e não de adultério.
Por esta razão a palavra correta nos textos de Mateus 5:32 e 19:9 é “infidelidade” em seu sentido mais abrangente.
Quando o Novo Testamento foi escrito em grego e enviado às cidades do Império, a “Carta de Divórcio” era universalmente compreendida como tendo sentido de dissolução total do casamento.
Era o “apartar-se” definitivamente.
Historicamente este termo “biblion apostasion” era usado até em transações comerciais e jurídicas.
Leia-se 1º Coríntios 7:27 e verifique-se o seguinte:
“Estás ligado à mulher?
Não procures separação.
Estás livre de mulher?
Não procures casar-te”.
O que está claro aqui neste verso?
Que separação é o contrário de casamento, ou seja: divórcio e repúdio.
Note-se cuidadosamente este ponto:
Os versos 10 e 11 do capítulo 7 relacionam-se com um casal de crentes.
Não se fala ali de um casal de descrentes, ou mesmo de um crente e outro descrente. Todavia, nos versos 12, 13, 14 e 15 fala-se de um casal onde um é crente e outro é descrente.
São situações diversas, mas há os que juntam tudo e querem julgar as coisas por esta sua interpretação que não deixa de ser teológica também.
Ora, em Deuteronômio 18:6-10, se um dos membros da família de um israelita se tornasse “idólatra” era morto.
Se um crente casado com outro crente, se desvia do Senhor e torna a vida do que segue a Cristo uma desgraça, tem ele a obrigação de suportar esse jugo?
Segundo Paulo, sim!
Mas, se o descrente abandona “infielmente” o cônjuge crente, terá esse crente que ficar solteiro o resto da vida?
Diz Paulo que não no verso 15.
Quantos fiéis de Deus têm que escolher entre um cônjuge incrédulo e Jesus?
E quando o cônjuge incrédulo deseja por esta razão o divórcio, o que fazer?
Segundo Paulo, não se deve resistir porque os crentes são pessoas chamadas em paz.
Diz o Professor Duty:
“Não fica sujeito à servidão (ou dedoulotai).
É um termo forte que indica que o cristianismo não tornou o casamento uma condição de escravidão para os crentes.
Compare-se isto com ‘dedetai’ (está ligada–verso 39), um termo bem mais brando.
Está claro que o significado é: uma deserção voluntária por parte do cônjuge incrédulo libera o outro.
Tais casos não haviam sido afetados pelas palavras de Cristo”.

A Lei do Casamento desde o início do mundo precisa ser devidamente compreendida. Como foi desde o princípio e como chegamos às palavras de Jesus ordenando que o casamento possa ser dissolvido somente em casos de infidelidade?
Em Gênesis 1:26-28 e 2:18-25 está a instituição do casamento.
Adão e Eva são estabelecidos como casal e se profere então as palavras que transliteram o ideal de Deus: “e serão uma só carne”.
Em Gênesis 38:24, antes dos dias de Moisés, as mulheres adúlteras eram mortas.
Quem decidia isto era o patriarca.
O homem era absoluto e dominava a situação.
A concepção “cultural” era de que uma adúltera devia ser morta, mas faziam isto sem a menor crise de consciência quanto ao fato de que matando estariam transgredindo o princípio de que não se dever matar alguém.
Lendo Gênesis 38 todo verificamos que a situação das mulheres era realmente muito ruim, porque o homem casado podia “adulterar sexualmente” com as prostitutas e ninguém lhe apedrejaria por isto, mas uma mulher casada era morta.
Judá, envolvido nesta questão, era nada mais e nada menos que um dos “patriarcas de Israel”.
Seria isto justo?
Moralmente falando, seria correto?
Os que ensinam a indissolubilidade do casamento que expliquem por que Deus não extirpou aquele adúltero da Terra, mas deu-lhe até a honra de ser o pai da Tribo da qual Jesus é o Rei, e mediante a qual seria Rei do Universo.
Jó 31:9-11 – Os maiores especialistas em Velho Testamento dizem que o Livro de Jó é o livro mais antigo da Bíblia.
No texto indicado se diz que o adultério era um crime passível de séria punição dos juízes.
Então chegamos ao verso-chave que responde à pergunta: por que a parte inocente pode casar e a culpada não pode.
“Mas se te desviaste, quando sob o domínio de teu marido, e te contaminaste, e algum homem, que não é teu marido, se deitou contigo. . . . O Senhor te ponha por maldição e esta água amaldiçoante penetre nas tuas entranhas, para te fazer inchar o ventre, e te fazer descair a coxa.
Então a mulher dirá: Amém, amém!
O homem será livre da iniqüidade, porém a mulher levará sua iniqüidade”.
(Números 5:20-31).
Notamos que esta lei, sob o ponto de vista da moralidade, é desleal com as mulheres, pois, um homem podia ter quantas mulheres quisesse sem, no entanto, ser considerado adúltero.
Como, porém, diz Paulo, numa clara manifestação da cultura israelita que era fortemente machista, inclusive no Novo Testamento:
“não permito que a mulher ensine ou tenha domínio sobre o homem, mas que esteja em silêncio” (1º Timóteo 2:12).
Depois, notamos que Deus não exigia que um homem que fosse uma só carne com sua esposa tivesse que ficar casado com ela, em adultério, enquanto seu corpo inchava e apodrecia após a maldição realizada diante do sacerdote.
Ele poderia casar-se de novo e ainda assim ser considerado livre e inocente, mesmo que a esposa ainda vivesse naquele corpo amaldiçoado por Deus.
Isto é um fato incontestável.
Em 1º Coríntios 5:9-11, Paulo diz que a Igreja não devia fazer algo:
“não vos associeis com os impuros” e “com esse tal nem sequer comais”.
E no verso 5 ele declara enfaticamente:
“seja entregue a Satanás para destruição da carne”.
Paulo está usando que base legal ou doutrinária para exigir este tipo de atitude da Igreja?
Não ensinou Cristo que deveríamos perdoar setenta vezes sete?
Por que tratar assim um adúltero?
A base de Paulo é a moralidade/legislação deuteronômica.
Isto é claríssimo nele que é israelita e foi criado nos seus princípios.
Mas se uma adúltera ou adúltero não pode estar ligado à Igreja, teríamos que aceitar que deveria ficar ligado ao cônjuge traído?
As aparentes dificuldades de texto que parecem contradizer o que ensinamos poderão ser desfeitas dos que nos lêem no tópico Como Entender os Textos Difíceis Sobre a Questão do Divórcio?
que apresentamos mais adiante.

4. O segundo texto está em 1º Coríntios 7:39 e diz o seguinte:

“A mulher está ligada ao marido enquanto o marido vive, mas se falecer o marido, fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor”.
É notório que Paulo aqui fala de pessoas crentes e não de mundanos.
Observe-se que ele diz que a mulher poderia casar “no Senhor”.
Isto cremos não ser aplicado às exceções.

5. O terceiro texto está em Romanos 7:1-3 e diz o seguinte:

“Ou ignorais, irmãos (pois falo aos que conhecem a lei), que a lei tem domínio sobre o homem por todo o tempo que ele vive?
Porque a mulher casada está ligada pela lei a seu marido enquanto ele viver, mas, se ele morrer, ela está livre da lei do marido.
De sorte que, enquanto viver o marido, será chamada adúltera, se for de outro homem; mas, se ele morrer, ela está livre da lei, e assim não será adúltera se for de outro marido”.
Alguns entendem erroneamente que este texto apresenta a indissolubilidade do casamento, aconteça o que acontecer.
Mas, para os que possuem perfeito entendimento, basta ler este texto em relação com Mateus 5:32 e 19:9, depois Deuteronômio 24:1, 2 e verificar que Paulo evidentemente está tratando da Lei de Moisés.
Uma lei que dada por Deus concedia ao homem o direito de divorciar-se e repudiar a mulher quando quisesse, mas não dava à mulher direito algum.
Por esta lei a mulher só poderia deixar o marido se ele lhe desse Carta de Divórcio. Sem tal Carta, se ela se casasse com outro homem, seria adúltera.
Mas, lendo Deuteronômio 24:1, 2, vê-se que se ela tivesse a Carta não seria adúltera.
Paulo usa este exemplo para demonstrar algo sobre a lei e a graça e não para falar de casamento.
Portanto, falar de doutrina do casamento com base neste texto é erro grosseiro de entendimento das Escrituras.
As expressões aí apresentadas nada provam em favor da indissolubilidade do casamento.
Precisaríamos desconhecer todas as coisas referentes ao todo que já estudamos para sermos convencidos por apenas este texto de toda uma doutrina.
Repetindo:
Leia-se 1º Coríntios 7:27 e verifique-se o seguinte:
“Estás ligado a mulher?
Não procures separação.
Estás livre de mulher?
Não procures casar-te”.
O que está claro aqui neste verso?
Que separação é o contrário de casamento, ou seja: divórcio e repúdio.
Agora, o verso a seguir diz:
“Mas, se te casares, não pecaste” (1º Coríntios 7:28).
Por que Paulo não disse para que o separado não se casasse?
Por que Paulo sabia que se uma pessoa estivesse “livre de um cônjuge”, pelas razões que já demonstramos justificar o divórcio, poderia optar por se casar ou não.
E ele explica porque julga melhor que ficassem solteiro:
“Todavia estes padecerão tribulação na carne e eu quisera poupar-vos”.
(1º Coríntios 7:28).
Ora, Paulo diz que a razão para não se casar (não importa se fosse pela primeira vez ou segunda) era a “tribulação” que se passa na vida de casado e para ele era melhor ficar solteiro e servir somente ao Senhor, como ele mesmo declara em 1º Coríntios 7:29-38.
O Senhor Jesus falou exatamente disto em Mateus 19:9-12.
Eis as Suas expressões:
“Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de infidelidade, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada, comete adultério.
Disseram-lhe os discípulos: Se tal é a condição do homem relativamente à mulher, não convêm casar.
Ele, porém, lhes disse: Nem todos podem aceitar esta palavra, mas somente aqueles a quem é dado.
Porque há eunucos que nasceram assim; e há eunucos que pelos homens foram feitos tais; e outros há que a si mesmos se fizeram eunucos por causa do Reino dos Céus. Quem pode aceitar isso, aceite-o”.
Está mais do que claro, comparando estas orientações de Jesus com as de Paulo, que o homem que se torna eunuco não é um homem casado, mas um homem solteiro.
Na orientação de Paulo, um homem que for solteiro, poderia sê-lo por naturalidade (nunca se casou) ou por divórcio.
Os israelitas entendem que a mulher estará separada do marido somente por duas razões: a morte ou a Carta de Divórcio.
Agora, porém, o Senhor diz que a Carta de Divórcio não poderá mais ser dada nas condições de Moisés, isto é, “por qualquer motivo”, mas somente nos casos de Os discípulos acham isto um mau negócio.
Então Jesus lhes dá uma opção, que é a mesma de Paulo:
“fiquem como eunucos”.
Já que não querem viver com uma mulher fiel à vida de casada, exatamente como Deus criou o casamento, já que desejam ficar trocando de mulher como quem troca na sociedade moderna de carro (pois isto era possível em Israel), saibam que não será mais permitido. Só há esta permissão se houver “infidelidade”. E os discípulos acharam isto um mau negócio, pois o Senhor na verdade estava dando à mulher uma dignidade que ela nunca havia possuído em nenhum momento da História depois do erro de Eva.

6. O quarto texto é o de Marcos 10:10 a 12:
“Em casa os discípulos interrogaram-no de novo sobre isso.
Ao que lhes respondeu: qualquer que repudiar sua mulher e casar com outra, comete adultério contra ela; e se ela repudiar seu marido e casar com outro, comete adultério”.

Eis aqui um texto que não poderá ser analisado sozinho.
Os Evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas são chamados de Sinóticos, exatamente porque devem sempre ser analisados em conjunto.
Nunca se analisará este texto isolado de seu paralelo em Mateus, o que já temos apresentado amplamente.
Ambos os textos são inspirados.
Ambos os textos são uma benção.
O enfoque de Marcos é mais genérico e o de Mateus específico.
Os leitores de Marcos são gentios e o seu texto original estava em grego koiné.
Já os leitores de Mateus são israelitas e o texto original está em hebraico. Lendo-se Marcos 10:1-12 em comparação com Mateus 19:1-12, encontraremos em Mateus as mesmas coisas que Marcos diz, só que tendo alguns acréscimos que este faz para maior entendimento do assunto.
O argumento de que as expressões que indicam as exceções que existem nas Escrituras para as questões de divórcio nas declarações foram forjadas são simplesmente irrespondíveis.
Se fôssemos acreditar nisto, seria melhor então, jogar a Bíblia inteira na lata do lixo.
Mas, graças a Deus, as coisas não são assim.
Um crente não está obrigado a viver com uma pessoa maníaca sexual, tarada, violenta, traidora, infiel ou adúltera.
E ao deixar de estar ligada com este tipo de pessoa que está carregada de infidelidade, está na verdade dando valor ao padrão de santidade que as Escrituras ensinam e que podemos conhecer em Romanos 12:1-3 e 1º Coríntios 6:15-20.
Diz a Escritura que “não sois de vós mesmos”.
Diz o Professor Duty: “O texto de Hebreus 7:22 e 8:6 afirma que Cristo deu à humanidade uma ‘aliança superior’ à de Moisés; contudo Moisés, tendo uma aliança inferior, executava adúlteros e criminosos sexuais, e libertava o cônjuge inocente para casar-se de novo.
Portanto, se a aliança superior exige que o inocente se torne ‘uma só carne’ com criminosos sexuais, então nos parece que Moisés ofereceu ao cônjuge inocente uma situação mais justa”.

7. Outro texto que alguns usam, mas não são felizes na explicação, é o que está na base da própria instituição do casamento:

“Assim já não são mais dois, mas uma só carne.
Portanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem”.
(Mateus 19:6)
Este texto é simplesmente maravilhoso!
Não se contestará jamais o peso de suas expressões.
É ele que justifica toda a força do casamento como instituição.
No entanto, ao passo que Deus/Jesus diz aos seres humanos:
“não matarás”; “não roubarás” e “não adulterarás”; a raça humana faz exatamente o que Ele disse para não fazer.
Toda regra tem exceções no planeta Terra.
Embora o Senhor tenha dito--“não matarás”
Ele mesmo mandou muitas vezes Israel matar nações inteiras.
Embora Ele tenha dito que não se deveria roubar, autorizou “saques” às nações que Israel atacava e destruía. Embora tenha dito para que não se praticasse o adultério, Ele mesmo determinou uma lei em Deuteronômio 24:1, 2 que dava o direito de existir em Israel a troca de casais sem que isto fosse um crime e nem pecado.
Uma coisa é o ideal, outra coisa é a realidade.
A partir de Cristo as coisas foram modificadas, mas ainda virá uma outra modificação.
O presente estado de coisas será modificado.
Ele deixou claro que esta distorção temporária, autorizada por Ele por razões que Ele conhece, serão modificadas para sempre.
Note-se esta explicação:
“Então se aproximaram dele alguns dos saduceus, que dizem não haver ressurreição, e lhe perguntaram, dizendo:
Mestre, Moisés nos deixou escrito que se morrer alguém, deixando mulher sem deixar filhos, o irmão dele se case com a mulher, e suscite descendência ao irmão.
Ora, havia sete irmãos; o primeiro casou-se e morreu sem deixar descendência; o segundo casou-se com a viúva, e morreu não deixando descendência; e da mesma forma, o terceiro; e assim os sete, e não deixaram descendência.
Depois de todos, morreu também a mulher.
Na ressurreição, de qual deles será ela esposa, pois os sete por esposa a tiveram? Respondeu-lhes Jesus:
Porventura não errais vós em razão de não compreenderdes as Escrituras nem o poder de Deus?
Porquanto, ao ressuscitarem dos mortos, nem se casam, nem se dão em casamento; pelo contrário, são como os anjos nos céus”.
(Marcos 12:18-25).
Em breve, quando Jesus retornar, o casamento terá seu fim.
Todos os discípulos serão como os anjos, não se casarão.
No paralelo sinótico de Lucas a explicação é ampliada:
“Os filhos deste mundo casam-se e se dão em casamento; mas os que são julgados dignos de alcançar o mundo vindouro, e a ressurreição dentre os mortos, nem se casam nem se dão em casamento; porque já não podem mais morrer; pois são iguais aos anjos e são filhos de Deus, sendo filhos da ressurreição”.
(Lucas 20:34-36).
Considere-se também a expressão idêntica em Mateus 22:29-30.
Aí se nota que o texto de Mateus, neste ponto não trás a abrangente explicação que se trouxe neste ponto em Lucas.
É a questão da unidade dos textos sinóticos.
Não somos a favor do divórcio.
Cremos que se deve fazer tudo que for justo e decente para preservar o casamento. Perdoar é a mais importante dádiva do céu.
Mas se há motivos justos para se divorciar, então não podemos nos opor ao mesmo, embora lamentemos como Deus o fez e faz.
Qual a causa que permite o divórcio?
A infidelidade de um dos cônjuges em qualquer nível ou área da vida, e não somente o adultério.

8. Outro texto usado para pretender dizer que o casamento é indissolúvel em todas as circunstâncias é o de Malaquias 2:16 que diz:
“Porque o Senhor Deus de Israel diz que odeia o divórcio”

Este é outro texto que se usa sem consultar os demais textos, pois o fato de Deus odiar o divórcio não significa que não o tenha aceitado e permitido.
O texto deve ser analisado à luz de Deuter.
24:1, 2 onde o próprio Deus estabeleceu o divórcio como um mandamento, como já demonstramos.
Além do mais, devíamos analisar o contexto da passagem onde Deus diz que odeia o divórcio.
Estas palavras que transcrevemos mostram que Deus odeia todo tipo de divórcio.
Os que a usam para pretender uma doutrina, quebram toda a base de entendimento das Escrituras, ou seja, tomam um texto isolado e lhe dão total poder de definição em uma questão.
Onde está a regra do contexto?
Onde está a regra do texto?
Observemos o contexto e o texto:
“Porque o Senhor tem sido testemunha entre ti e a mulher de tua mocidade, para a qual procedeste deslealmente, sendo ela a tua companheira, e a mulher da tua aliança. . . . Pois Eu detesto o divórcio (odeio), diz o Senhor Deus de Israel, e aquele que cobre de violência o seu vestido; portanto cuidai de vós mesmos, diz o Senhor dos exércitos; e não sejais infiéis . . .”. (Malaquias 2:14, 16).
Examinemos as Escrituras, mas erramos em não fazê-lo corretamente.
O divórcio é algo que Deus odeia, detesta, abomina, porque é fruto do quê? Deslealdade, infidelidade e imoralidade.
Não é e nunca foi o Plano de Deus que as pessoas que se casam se divorciassem.
Mas em Deuteronômio 24:1, 2 e Mateus 19:9 e 5:32 Ele concordou que seria permitido e autorizou.
Esta autorização, porém, não significa que Ele estivesse contente e alegre.
Deus nunca apoiou a deslealdade de israelitas que se divorciavam de suas esposas “inocentes e honradas”.
Não se está considerando o direito de todo israelita divorciar-se por adultério da esposa ou infidelidade dela.
Nunca nos esqueçamos que a mulher não tinha muitos direitos na sociedade israelita: ela não podia repudiar o marido, só ele poderia repudiá-la dando Carta de Divórcio.

9. Outro texto que de alguns se valem é o que está em Marcos 6:18 e que diz:

“Não te é lícito possuir a mulher de teu irmão”
Leia-se, por favor, Levítico 18:16 e 20:21 para verificar-se que em Israel não era realmente lícito que um irmão casasse com a cunhada enquanto o irmão dele vivesse.
Herodes, repreendido por João Batista, estava com a mulher de seu irmão estando este ainda vivo!
Isto era claríssimo adultério.
Onde está escrito isto?
Simples: use-se a regra da análise sinaítica e verificar-se-á esta verdade:
“Pois Herodes havia prendido a João e, maniteando-o, o guardava no cárcere, por causa de Herodias, mulher de seu irmão Filipe; porque João lhe dizia:
‘Não te é lícito possuí-la.
E queria matá-lo, mas temia o povo; porque o tinham como profeta”.
(Mateus 14:3-5).
Leia-se agora Marcos 12:18-22 em conformidade com sua base de referência em Deuteronômio 25:5-12. Note-se que um irmão tinha a obrigação de casar-se com a mulher de seu irmão e fazer um filho nela, caso este irmão antes de morrer não tivesse tido nenhum descendente.
Ora, Herodes certamente poderia ter tido relações sexuais com Herodias se este fosse o caso e o profeta João Batista não arriscaria a sua cabeça denunciando uma coisa que era obrigação de qualquer israelita nas condições especiais que aqui apresentamos.
Isto é suficiente para explicar o caso.
E mesmo que o irmão de Herodes houvesse morrido, contudo tivesse algum “filho homem” pelo qual fosse chamada a sua descendência, então ainda assim Herodes estaria errado, pois a lei só lhe permitia tocar na cunhada se o irmão fosse morto e sem filho homem.
Este caso isolado não serve nem para referência!

10. Outro texto que usam os adeptos da indissolubilidade do casamento na negativa de divórcio e novo casamento é este:
“É necessário, portanto, que o bispo seja irrepreensível, esposo de uma só mulher”. (1º Timóteo 3:2)

O texto não trata de adultério e nem de novo casamento.
É uma ordenança para os que desejam ser pastores.
O problema aqui em questão é a bigamia.
Não se permite aqui, na vida dos pastores, um relacionamento com duas mulheres simultaneamente.
Mas, evidentemente, se a mulher foi adúltera e ele se divorciou dela, poderia casar-se novamente e seguir seu ministério em paz.
Evidentemente, se a mulher morreu, o pastor poderia seguir seu ministério com uma segunda esposa com quem se casasse após este ocorrido.
Não há a menor dúvida que usar este texto para apoiar a doutrina da indissolubilidade do casamento é um erro primário de quem não conhece a matéria!

11. Outro texto com o qual se arrimam para criar complicações e manter muito seguidor de Cristo na infelicidade de uma vida solitária é o seguinte: “Convertei-vos, ó filhos rebeldes, diz o Senhor, porque Eu sou vosso esposo” (Jeremias 3:14).

Argumenta-se, sem a menor base escriturística que o Divórcio não significava “dissolução total do casamento” porque Deus mesmo tratava Israel como se fosse seu esposo, embora este fosse infiel.
O erro está em entender que a proposta de Deus de reconciliação (convertei-vos) fosse promiscuidade.
O Senhor não foi e não é adúltero.
Quem deveria se converter era Israel, e não Deus.
Além do mais, em Hebreus 8:9 está escrito:
“pois eles não continuaram na minha aliança, e eu não atentei para eles”.
O que prova que o Esposo Celestial deu chance à adúltera nação de se converter, mas o Seu amor aqui é usado por indissolubilistas matrimoniais como argumento para que Deus ficasse casado com Israel, mesmo esta nação se prostituindo com falsos deuses. Isto é erro grosseiro e falta de conhecimento das Escrituras como um todo.
Leia-se, por favor, Romanos 9:27; Mateus 8:12; 2º Pedro 2:17 e 1º Reis 9:1-9 (principalmente onde se diz como Deus trata a infidelidade).

Um argumento que aparece no livro do Professor Guy Duty e que ele ouviu algumas vezes é: “Se concordarmos com isso e abrirmos as portas haverá abuso desse direito a um novo casamento”.

Não devemos examinar as Escrituras com base no que elas permitem ou não?
Como podem alguns tratar uma verdade com base em especulação?
Os casamentos irão naufragar porque estamos ensinando a verdade sobre o divórcio e novo casamento? Não! Os casamentos de hoje estão naufragando a despeito do ensino popular (Católico Romano) da indissolubilidade do casamento e do ensino popular (Protestante) do divórcio somente em casos de adultério.
Não é o ensino da verdade que causa as desgraças que hoje se conhece, nem o ensino do erro sobre este assunto.
O que causa esta situação é a incredulidade do povo, a maldade dos corações, a dureza dos espíritos para viverem com humildade e mansidão.
Se os pastores não guiarem as ovelhas nesta direção e não prevenirem as congregações com relação à necessidade do cumprimento dos elevados deveres conjugais como expostos nas Escrituras, haverá divórcios justos e injustos.
Nós ficaremos tristes com ambos os casos de divórcio, mas não diremos que os divórcios justos são errados.

Como Se Define a Parte Inocente nos Casos de Divórcio?

1. Não acreditaremos em todos que declaram sua inocência em questões de divórcio. Seríamos tolos se o fizéssemos.
Mas, quando não há provas claras de inocência, temos que agir pelo Espírito de Deus.

2. Em Números 5:12-31 a parte culpada levava seu pecado sozinha, e a punição era uma chaga miserável e horrenda.

O próprio Deus, em questões de consciência resolverá a questão.

3. Não permitiremos nunca que uma pessoa que nos procura, interessada em ser discipulada no Reino de Deus, seja impedida porque está divorciada e não temos como saber se ela foi culpada ou não.

4. Insistimos muito nisto!
Se uma pessoa for culpada e podemos provar ou saber que é culpada, não aceitaremos discipulá-la se ela está casada de novo.
Isto é proibido claramente na Bíblia, tanto no Velho como no Novo Testamento.
Não a receberemos em nossa comunhão a menos que se submeta a viver o resto de sua vida solteira e sem adultérios (fornicação).

5. Mas, se não há como provar a infidelidade daquele que nos procura, se o caso é complicado e não há elementos que nos permitam conhecer a realidade das coisas, se a outra parte mora muito distante e é incrédula, se o divórcio ocorreu na época em que ambos os divorciados eram pagãos, enfim, se não há como definir a questão claramente exigiremos duas coisas:

Uma confissão diante de (no mínimo) duas testemunhas da comunidade em que o que se declara inocente dirá:
“Diante de Deus, diante de minha consciência, conhecedor de que serei maldito perante o Senhor se estiver mentindo, confesso que fui realmente a parte inocente na questão de meu divórcio, e Deus é meu Juiz e me julgará de acordo com esta minha confissão”.

O documento de Divórcio expedido por Juiz de Direito do sistema jurídico oficial deverá ser mostrado nessa ocasião.
Uma palavra precisa ser dita sobre este ponto.
Nós não criaremos nunca um problema quando uma pessoa apresenta uma Carta de Divórcio expedida por um Juiz, de acordo com a lei. Por que não criamos problemas? Por três razões:
Primeira, que em Israel havia a Lei do Divórcio como uma Lei de Moisés (que Deus concedeu) e está registrada em Deuteronômio 24:1, 2 e ninguém se atreveria a dizer que ela imoral ou semelhante, porque foi uma autoridade representativa de Deus quem a deu.
Segunda, que a Bíblia em Romanos 13:1-7 ensina-nos que não devemos ir contra as autoridades pois “toda alma esteja sujeita às autoridades superiores, porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus” (verso 1).
Não se diga que deveremos obedecer primeiramente a Deus e depois estas autoridades usando (Atos 4:19 e 5:29), porque o divórcio é permitido por Deus tanto no Velho como no Novo Testamento, como já provamos exaustivamente.
Portanto, criar problemas com um documento oficial expedido por um Juiz neste assunto é ir contra a determinação do Senhor neste ponto.
Terceira, que ao casar-se alguém no Brasil, por exemplo, as denominações religiosas exigem que se faça o registro diante de um Juiz devidamente autorizado para expedir a certidão de casamento e muitas vezes exige-se que se case primeiro no “civil”, para somente depois disto se fazer o casamento no “religioso”.
Ora, por que a autoridade do Juiz vale na hora de se fazer o casamento, mas não vale na hora de se fazer o divórcio?
Nós somos coerentes com as coisas e neste ponto declaramos que as “autoridades de Deus” devem ser respeitadas.
E os cristãos que já viveram o trauma de uma separação sejam deixados em paz.

6. As conseqüências da confissão que o crente faz diante de irmãos, serão entregues diante de Deus pelo Pastor presente na ocasião.
O crente poderá então viver sua vida sem o menor constrangimento pessoal.
E não se permitirá falar-se ou interferir-se na sua vida quanto a esta questão passada.
O Senhor é Deus!
O pastor e os irmãos estarão livres desta questão, pois se trata de algo de foro íntimo do crente que confessou a questão em oração.
Como disse Paulo:
“Mas Deus julga os que estão de fora”.
(1º Coríntios 5:13). Coisas que ocorrem ou ocorreram fora de nossa comunidade antes do crente se tornar crente, Deus usa seus Juízes e nós não temos nenhuma declaração a fazer.

7. Nos casos em que a crise conjugal se dá entre um casal crente, a orientação é a seguinte:
“Não sabeis que havemos de julgar os próprios anjos: quanto mais as coisas desta vida?
” (1º Coríntios 6:3).
Não aceitaremos nada inferior ao padrão de Deus para os casos em que o aconselhamento é terapêutico e que o pastorado, bem como a irmandade, devem jejuar, orar e aconselhar os “brigões”.
Se houver infidelidade, então a questão será mais delicada, mas procuraremos restabelecer o padrão do perdão, mas se a parte inocente não quiser mais reatar com a outra parte, está livre para fazê-lo, desde que se posicione dentro da ética cristã e faça tudo legalmente com o Juizado responsável.

Consideramos também aqui o princípio exposto em Deuteronômio 17:8-13, em que as questões difíceis devem ser julgadas e a decisão deve ser cumprida fielmente.
Se isto não ocorrer (a obediência) a parte inocente será expulsa da comunidade dos irmãos.
E neste caso, segue-se a determinação de Paulo para os rebeldes:
“Mas agora vos escrevo que não vos comuniqueis com aquele que se dizendo irmão for devasso, avarento, idólatra, maldizente, beberrão, roubador; com esse tal nem sequer comais. . . . Tirai esse iníquo do meio de vós”. (1º Coríntios 5:11-13).

Antes de tudo, queremos dizer que não somos “arranjadores de divórcios”, nem somos “favoráveis ao divórcio”.
Cremos que se deve fazer tudo que se puder para confirmar que o “que Deus juntou não o separe o homem”.
Mas, somos conscientes de que nem sempre este ideal pode ser real.
E Deus fez provisão para que se possa amenizar as suas conseqüências.

4. Qual é o significado de “infidelidade” nas palavras de Jesus?

Notai a explicação final de Jesus:
“quem repudiar sua mulher, exceto em caso de infidelidade”.
Ora, de onde os que pregam a indissolubilidade do casamento, tiraram a idéia de que em caso de infidelidade a mulher não seria abandonada se ao tempo de Jesus a mulher seria é apedrejada?
O texto que diz que assim “quem repudiar sua mulher, exceto em caso de adultério” é um texto mal traduzido.
É uma intervenção de tradutores que representavam os interesses de denominações católico-protestantes.
Jesus nunca poderia ter dito que em caso de adultério a mulher seria repudiada, porque ela seria na verdade “apedrejada”.
Ele estaria apresentando uma distorção da Lei de Moisés.
E foi Ele mesmo Quem deu a Lei para Moisés, como já vimos no estudo anterior.
Em João 8:3-7, no caso de Maria Madalena, Jesus disse:
“quem não tiver pecado que atire a primeira pedra”.
Ele nunca disse que a mulher adúltera deveria receber uma Carta de Divórcio.
Em outras palavras, Ele estava admitindo que a mulher adúltera merecia realmente ser apedrejada e não repudiada com Carta de Divórcio.
A questão lá era que ninguém se achava habilitado para atirar a primeira pedra, e Ele que poderia tê-lo feito perdoou.
Ele disse que a mulher repudiada poderia ser repudiada em casos de infidelidade.
Fora da condição de infidelidade, a mulher não podia ser repudiada.
E note-se que Jesus não dá à mulher o direito de fazer o mesmo com o marido.
A condição da mulher diante de Jesus é sempre a mesma ela é “menor” do que o homem. Depois da entrada do pecado “o teu desejo será para teu marido e ele te dominará” (Gênesis 3:16).
Outra situação clara sobre este ponto que parecerá muito ruim para as feministas de nosso tempo é que Paulo apresenta uma condição realmente difícil para as mulheres, ou seja, os direitos delas na Igreja de Cristo são diferentes daqueles dos homens. Leia-se 1º Timóteo 2:11-15 e veja-se como a mulher ficou “presa” na pregação apostólica.
O homem, na Igreja de Cristo, é “o cabeça da mulher” e ela deve ser “submissa a ele em tudo como ao Senhor” (Efésios 5:22-33), mas Deus dá-lhe agora o direito de não permanecer com um esposo infiel (1º Coríntios 7:12-15).
A mulher passa a ter certos direitos que antes da pregação apostólica não possuía, e estes direitos estão em Efésios 5:22-33; 1º Pedro 3:7 e 1º Coríntios 7:1-5.
Jesus não disse que o homem não poderia repudiar sua mulher nunca.
Decididamente não disse isto!
Ele estabeleceu uma condição única pela qual o homem poderia repudiá-la, e esta condição não era mais “qualquer motivo”.
Era somente no caso de infidelidade.
Esta condição evidentemente foi estendida à mulher diante do adúltero.
Mas, a infidelidade aqui não significaria evidentemente a traição da mulher por razões sexuais?
Não! Isto é como querem sempre interpretar os que defendem seus pontos de vista baseados na dedução atual.
No tempo de Jesus, adúltero era apedrejado!
Na Igreja, o adúltero “seja entregue a Satanás para a destruição da carne” 1º Coríntios 5:5 (Leia-se o contexto todo em 1º Coríntios 5:1-13).
Então, qual era o tipo de infidelidade a que Jesus se referia?
Para isto teremos que considerar a vida de casados, o que ela significa e vale diante de Deus.
Cremos piamente que o casamento é a união de corpo, alma, espírito e emoções.
Se houver infidelidade em alguma destas dimensões, e se esta infidelidade é promovida eventualmente por traição e não por ignorância, é passível de divórcio, sim, e a parte traída poderá valer-se de seu direito de não ter que suportar o convívio com o infiel.
Retornando à questão da expressão “infidelidade”, temos aqui uma complicação de tradução séria que afeta a crença de milhões.
Cremos que a melhor tradução realmente é a que usa a palavra “infidelidade” e não as expressões:
“adultério” ou “relações sexuais ilícitas”.
Estas expressões são tendenciosas e fora de contexto.
E demonstraremos por quê.
Por que Jesus não disse “adultério” como sendo uma exceção na questão de dar-se divórcio?
Por que temos certeza de que Ele falou de “infidelidade” em sentido muito mais amplo do que simplesmente adultério?
Simplesmente porque o adultério era punido com apedrejamento público.
Jesus não estava dizendo que uma mulher adúltera receberia uma Carta de Divórcio, porque Ele mesmo deu uma lei pela qual a adúltera era exterminada dentre Israel.
E não há a menor dúvida de que Jesus viveu dentro da Lei de Moisés com a mais absoluta precisão, cumprindo-a e honrando-a (cf. Mateus 5:17-20; Gálatas 4:4).
Em Israel havia pena de morte para os judeus que cometessem atos de fornicação, incesto, sodomia, violência sexual, e qualquer ato sexual proibido (Levítico 18 e 20:11-21).
O adultério sexual era punido com morte também.
Ocorre, entretanto, que a palavra correta aqui empregada é “infidelidade”.
E infidelidade é algo muito mais amplo do que simplesmente “adulterar”.
Este é, provavelmente, o descuido mais sério que já se fez neste assunto.
Quando duas pessoas casam e se tornam uma só carne, a tradição teológica e religiosa pensa logo no ato sexual.
A Igreja Católica chega a anular o casamento quando se comprova que as duas pessoas não tiveram relações sexuais.
Tudo está subordinado à sexualidade como se ela fosse a razão do casamento.
Isto é um absurdo!
Ora, no Jardim do Éden, a razão de Deus dar Eva a Adão não foi inicialmente a de que eles fizessem sexo e tivessem filhos.
O casamento não é uma oportunidade para a sexomania.
As palavras de Deus para motivar-Se a Si mesmo neste assunto foram:
“Não é bom que o homem esteja só, far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea” (Gênesis 2:18).
Deus olhava ao homem como alguém à Sua imagem e semelhança e julgou que, concernente à Sua própria natureza, não era bom ficar solitário.
Isto é muito mais amplo do que fazer sexo.
Note-se aqui a profundidade das palavras de Deus.
Ele não disse:
farei uma “coisa para que o homem use sexualmente”.
Deus não criou a mulher para ser objeto sexual.
Isto começou a acontecer “por causa da dureza” dos corações masculinos.
Deus, na Criação, chama a mulher de “ajudadora idônea”.
O homem deve encontrar na esposa uma companheira “intelectual, emocional, física e espiritual” à altura de suas capacidades nestas áreas.
E ela deve ser-lhe fiel em cada uma dessas capacidades (e vice-versa).
A “infidelidade”, nas palavras de Jesus, significa infidelidade em qualquer uma destas áreas da vida, e não apenas na sexualidade.
Não entender assim é limitar o casamento a uma situação de “relações sexuais”, quando, na verdade, trata-se de “ser uma só carne”, ou “uma só pessoa em duas”.
Paulo dá esta mesma orientação sobre casamento quando diz que:
“não vos negueis um ao outro senão de comum acordo por algum tempo, a fim de vos aplicardes à oração” (1º Coríntios 7:5) Ora, por que deixar de ter relações sexuais e dedicar-se à oração em conjunto?
É porque o casamento tem sua face espiritual desta “uma só carne”.
Ele diz mais:
“quem é casado cuida das coisas do mundo, em como há de agradar a sua mulher, e está dividido”.
(1º Coríntios 7:33, 34) Destarte, aqui vemos outras dimensões da natureza do casamento, isto é, emoções, espiritualidade e intelectualidade, e não somente sexo. O que seriam estas coisas que agradam a mulher?
Somente sexo?
Isto seria ignorância!
No Novo Testamento, a orientação é a de que o homem trate sua esposa como seu cabeça (Efésios 5:22-27) e este preceito diz que o objetivo do homem é o de apresentar sua mulher como alguém que é “gloriosa, sem mácula, . . . mas santa e irrepreensível”.
E diz mais:
“quem ama a sua mulher, ama a si mesmo”.
Por esta questão vemos que infidelidade abrange muito mais do que a simples prática do adultério sexual.

Nenhum comentário: