CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA

CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA
CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA - SEDE

1 de abr de 2010

HISTÓRIA RESUMIDA DO EVANGELISMO

Seria cativante visitar uma igreja do primeiro século e notar o seu programa de evangelismo.
Poderiam informar-nos sem perda de tempo sobre a maneira de fazer uma igreja tornar-se conquistadora de almas.
Se hoje pudéssemos viajar até essas antigas igrejas, sem duvida ficaríamos maravilhados com nossas descobertas.
Chegando em Éfeso, nossa visita seria mais ou menos assim:
" Boa tarde, Áqúila I Sabemos que você é membro desta igreja.
Queremos entrar e conversar".
"Sejam bem vindos.
Entrem".
"Se não fôr demais, queremos que nos conte como as igrejas da Ásia Menor efetuam seu programa de evangelização.
Lemos que antes você era membro da igreja em Corinto, depois em Roma e, agora, aqui em Efeso.
Portanto, você deve saber inibrmar-nos com exatidão e clareza acerca do evangelismo do Novo Testamento.
Também desejamos ver a igreja antes de regressarmos".
"Sentem-se.
Já estamos na igreja.
Ela se reúne em nossa casa".
"Vocês não têm templo?"
"Quer quer dizer templo?
Não, acho que não temos."
"Diga-nos, Áquila, o que a igreja está fazendo para atingir a cidade com o evangelho?
"Ora, já evangelizamos a cidade de Éfeso.
Todos os habitantes desta cidade compreendem bem o evangelho".
"Que?"
"É verdade... acha isso extraordinário?"
"E como é que a igreja conseguiu fazer isso?
Por certo vocês não têm rádio nem televisão.
Realizaram, então, muitas cruzadas de evangelização ?"
"Não.
Como vocês provavelmente ouviram dizer, experimentamos evangelismo em massa nesta região, mas quase sempre terminávamos na cadeia !"
"E então, como fizeram tudo?"
"Oh, então não sabem ?
Somente visitamos todas as casas da cidade.
Foi assim que a igreja evangelizou a princípio aquela cidade.
* Os discípulos evangelizaram a cidade inteira de Jerusalém em muito pouco tempo. Todas as igrejas da Ásia Menor seguiram esse exemplo."
"E esse método tem dado bons resultados em todos os lugares ?"
"Sim.
Tem havido tantas conversões que os líderes das religiões pagãs temem que suas religiões sejam extintas.
Quando o irmão Paulo saiu de Éfeso pela última vez, lembrou-nos que deveríamos continuar evangelizando com o mesmo método".**
"Áquila, isso é maravilhoso!
Nesse passo, quantas pessoas ouvirão o evangelho e o aceitarão?"
" Não ouviram ainda dizer?
Já levamos o evangelho a todas as pessoas da Ásia Menor tanto a gregos como a judeus".***
"Ora, isso é impossível.
Você não está realmente dizendo que cada pessoa já foi evangelizada, não é mesmo ?"
"É verdade.
Cada pessoa".
____________
Atos 5:42
Atos 20:20
Atos 19:10


"Mas isso incluiria Damasco, Éfeso e dezenas de cidades grandes, aldeias e povoações e também as tribos nómades do deserto.
Quanto tempo foi necessário para as igrejas alcançarem todo esse povo ?"
"Não muito tempo exatamente 24 meses*.
O mesmo está acontecendo na África do Norte e no sul da Europa.
O evangelho também já chegou à Espanha.
Ouvimos falar de um país que se chama Inglaterra, e muitos cristãos já chegaram lá. Esperamos completar a Grande Comissão de Jesus antes do fim deste século".
"Áquila, o que você nos está contando é incrível.
Vocês têm feito mais, em uma geração, do que nós em mil anos".
"Não compreendo a razão disso. Para nós foi algo simples.
Pode ser que vocês tenham usado métodos errados de evangelização".
______________
* Atos 19:10

MORTE E RENASCIMENTO DO EVANGELISMO

como alcançou tanto êxito no evangelismo a cris¬tandade do primeiro século ?
E por que a cristandade do século XX tem feito com¬parativamente tão pouco ?
Depois de mil e novecentos anos não descobrimos ainda a maneira de realizar proezas tão maravilhosas.
Seria bom lembrarmos por que impera o atual estado de coisas.

A Morte do Evangelismo

No segundo século a cristandade se viu enredada em controvérsias teológicas.
No terceiro século houve grande incremento da apostasia.
No quarto século, a apostasia amadureceu.
Então a cristandade passou mil anos mergulhada nas trevas.
É esse período de mil anos que nos separa por completo de todo o contacto direto com a cristandade do Novo Testamento. Geralmente nos esquecemos desse fato e achamos que nossos métodos atuais têm todos origem no Novo Testamento.
Um exame minucioso nas páginas do Novo Testamento e o estudo histórico da origem de nossos métodos atuais logo revelam o quanto essa ideia está errada.

A Reforma

Sob a liderança de Martinho Lutero, a cristandade começou a recuperar-se dos mil anos de trevas.
Mas a reforma dos séculos XVI e XVII foi limitada em seu alcance.
Antes de tudo, foi uma reforma teológica a volta ao exame da Palavra de Deus.

Muitas coisas foram deixadas por resolver

Os escritos de Lutero marcaram as linhas de batalha da reforma.
Os assuntos sobre os quais êle escreveu e dissertou largamente determinaram os limites da exploração bíblica durante muito tempo.
Mas Lutero não tocou em muitos dos aspectos da cristandade.
Por exemplo, êle abordou pouquíssimo a escatologia.
Foi apenas trezentos anos depois de Lutero que começou qualquer estudo mais sério sobre esse assunto.
Pouco ou nada disse Lutero sobre a questão das missões e da evangelização do mundo. Coube a Guilherme Carey, em 1790, a tarefa de salientar novamente esse conceito do Novo Testamento.
O Espírito Santo recebeu pouca atenção durante a reforma.
E somente neste nosso século é que a doutrina e o lugar do Espírito Santo receberam a atenção que merecem.
O período que vai da reforma aos nossos dias tem assinalado a "volta paulatina" aos conceitos do Novo Testamento.
Porém, ainda não voltamos ao ponto inicial.
Ainda existem muitas ideias, conceitos e doutrinas do novo Testamento que precisamos redescobrir.

Origem dos Conceitos Tradicionais

A maior parte dos programas, ideias, terminologias e organizações existentes em nossas igrejas, hodiernamente, desenvolveu-se mediante a tradição, não estando franca¬mente baseada no Novo Testamento.
Por exemplo, é geralmente chocante, e às vezes mesmo engraçado, que o templo da igreja caiba dentro dessa categoria.
Os líderes da reforma, sem pensarem no que faziam, adotaram dos católicos-romanos a ideia do templo da igreja.
Todavia, o conceito de templo da igreja pertence ao século III, e não tem precendente nem exemplo no Novo Testamento.
Até mesmo termos consagrados como "púlpito", "missionário" e "Escola Dominical" não têm origem bíblica bem delineada.
Essa lista é interminável.

ORIGEM DO EVANGELISMO MODERNO

Em o Novo Testamento havia dois tipos bem definidos e predominantes de evangelismo o evangelismo em massa e o evangelismo pessoal.
Pelo século III, na sua maior parte, ambos os tipos já haviam desaparecido.
Nem mesmo durante a reforma houve qualquer reavivamento do evangelismo digno de nota. Por incrível que pareça, não faz mais de duzentos anos que houve qualquer volta notável ao evangelismo.
Nesse tempo, reapareceu certo tipo de evangelismo.
Entrou novamente em vigor, depois de uma ausência de mil e seiscentos anos, através do ministério de João Wesley.
Podemos estar gratos que êle nos deu de novo o conceito do evangelismo em massa.
É lamentável que a outra forma de evangelismo neo-testamentário até agora não tenha retornado à história cristã.
Quiçá esteja de prontidão, esperando dominar uma vez mais o centro da cena.
Podemos apenas tecer con¬jecturas sobre como será dramático o seu retorno.
O evangelismo em massa reapareceu de forma dramática com João Wesley.
Talvez possamos ter idênticas esperanças no tocante ao evangelismo pessoal !

Que Dizer sobre o Evangelismo Pessoal?

Fala-se muito acerca do evangelismo pessoal.
Escrevem-se livros sobre o assunto.
Pregam-se mensagens fervorosas sobre sua necessidade.
E, em casos isolados, há pessoas que o praticam.
Mas não houve nenhum retorno geral ao evangelismo pessoal.
Durante os últimos mil e oitocentos anos não houve ocasião em que algum grande movimento de testemunho pessoal tenha envolvido uma larga porção do povo cristão.
Se abrirmos nossos livros de história não encontraremos qualquer menção a isso durante quase dois milénios.
Por mil e oitocentos anos a Igreja não tem recuperado o evangelismo pessoal.
Até o momento jaz em uma pilha mofada, intitulada "Verdades ocultas do Novo Testamento".
Qual o resultado final de tanto tempo sem a posse vibrante de uma verdade tão fundamental ?
Não têm importância, realmente ?
Acontece que o conceito mais necessário e poderoso do cristianismo ainda está morto. É como se tivéssemos um automóvel sem motor um avião sem asas, uma mensagem a mensagem mas sem qualquer meio realmente eficiente de disseminá-la pelo mundo inteiro.
O reavivamento o redescobrimento do evangelismo pessoal será, na verdade, o redescobrimento do espírito do cristianismo dos dias do Novo Testamento.
Evolução do Evangelismo em Massa Antes de delinearmos a origem de outras formas de evangelismo que foram aparecendo, voltemos um pouco para traçar a evolução do evangelismo em massa durante os duzentos anos desde seu redescobrimento.
Por meio de homens como Jorge Whitfield, a América chegou a conhecer o evangelismo em massa.
Achou torrão fértil nesse país fronteiriço.
Na verdade, o evangelismo em massa tem passado por períodos de "amortecimento" e de "reavivamento" desde então.
Tem havido cerca de quatro pontos culminantes na história do evangelismo em massa:
um nos tempos de Wesley; outro, sob Finney então sob Moody; e, finalmente, em nossos próprios dias, sob a liderança divina, nas campanhas de Billy Graham.
Em meados do século XVIII apareceu o "acampamento".
Depois, já no século XIX, desenvolveu-se o evangelismo tipo "cultos prolongados'' e o evangelismo denominado "latada de ramos".
Nos fins do século XIX, quando houve reavivamento do evangelismo em massa, o termo usado era "avivamento" Os termos "avivamento" e "evangelismo em massa" começaram a ser confundidos tanto em nosso modo de pensar como na nossa terminologia.
Hoje em dia temos a altamente organizada "cruzada evangelística", que cobre uma igreja ou uma cidade inteira.
Há certos princípios espirituais inalteráveis, do evangelismo em massa, que são eternos e não sofrem alteração. Essas leis são reconhecidas e respeitadas hoje em dia.
O resultado é que na atualidade o evangelismo em massa se tornou uma ciência altamente organizada e exata.
Existe o que poderíamos designar de "ciência espiritual do evangelismo em massa".
O evangelismo em massa, ainda que por muitas vezes desprezado, é o maior método neo-testamentário que usamos, frequentemente usado por Deus para a salvação de multidões.

Origem e Evolução do "Evangelismo de Alistamento”

O evangelismo em massa tem certas limitações.
Por causa disso e porque o evangelismo pessoal passou tanto tempo no desuso foi inevitável que se inventassem outras formas de evangelismo, para preenceher a lacuna.
É o caso do "evangelismo de alistamento".
Ao desenvolver-se e alastrar-se o cristianismo na América, foi seguindo as normas de desenvolvimento da Igreja na Europa.
O cristianismo centralizou-se mais no templo da igreja, mudando quase toda sua esfera de ação para dentro do templo da igreja local.
Disso, nos últimos anos do século XIX, nasceu o "evangelismo de alistamento".
Eis como teve início o citado tipo de evangelismo:
Descobriu-se que alistando meninos e meninas em escolas bíblicas, ensinando-se aos mesmos a Palavra de Deus, muitos se entregariam a Cristo.
Isso é natural.
Uma vez que corações jovens ficaram expostos ao evangelho, por meio do estudo da Bíblia, muitos deles natu¬ralmente se entregariam a Êle.
Posto que o método dava resultado entre as crianças, foi ampliado para incluir também os adultos.
Muitos dos crentes mais idosos ainda devem estar lembrados que é ideia relativamente nova essa de ensinar-se adultos em escolas bíblicas.
Hoje em dia, o evangelismo de alistamento ou evangelismo pela educação é a ciência mais exata no seio da Igreja.
Mais livros são escritos e mais programas e planos são elaborados, nesse setor, do que em qualquer outra forma de evangelismo.
Atualmente o evangelismo de alistamento é que está suprindo o vácuo deixado pela ausência do evangelismo pessoal.
Talvez haja mais conversões no evangelismo de alistamento do que sob todas as demais formas de evangelismo juntas.
Muitas (talvez a maior parte) das denominações dependem quase que inteiramente do evangelismo de alistamento para sua manutenção e crescimento.
Sem dúvida o evangelismo de alistamento tem dado a maior contribuição para a conquista de almas em toda a história recente.
Convém que nos lembremos, contudo, que não se passaram mais de cem anos desde que se iniciou essa forma de evangelismo; e que talvez ela nunca houvesse surgido se a Igreja tivesse entrado novamente na posse de um testemunho poderoso de conquista pessoal de almas.

Outras Formas de Evangelismo

Nesta nossa época da técnica presenciamos o desenvolvimento de um estupendo número de outras modalidades de evangelismo.
Há evangelismo cinematográfico, evangelismo dramático, evangelismo pela caricatura (todos dentro da categoria de evangelismo audio-visual).
Surgiram o evangelismo através do rádio e da televisão e o evangelismo pela literatura e pelos discos fonográficos.
Na última década temos apreciado a especialização do evangelismo isto é, organizações foram formadas para tratarem da necessidade de certo setor, tais como o evangelismo da mocidade, da marinha, do exército, da força aérea, dos operários das fábricas, etc.
A maior parte dessas organizações utiliza-se simplesmente dos métodos convencionais do evangelismo do século XX, com modificações próprias para cada grupo.

DEFINIÇÃO DE TERMOS

Grande é o número de termos empregados para designar todos os tipos de evangelismo. Aqui precisamos de clareza de pensamento.
Frequentemente se faz alusão ao evangelismo em massa com os termos "avivamento" e "campanha evangelística".
O evangelismo pessoal e o de alistamento estão entrelaçados mediante muitos termos, como:
evangelismo educacional,
evangelismo de visitação,
evangelismo de casa em casa;
evangelismo na Escola Dominical;
evangelismo de testemunhos;
evangelismo de conquista de almas; etc.

Provavelmente há maior confusão ao redor do termo "evangelismo de visitação".
É um apelativo realmente ambíguo.
No sentido mais estrito da palavra, não existe o evangelismo de visitação.
O evangelismo pessoal consiste de alguém falando a outra pessoa sobre a necessidade que esta tem de Jesus, com o fito de levá-la à decisão de aceitar ao Salvador.
Um crente pode conquistar almas pessoalmente, visitando de casa em casa; mas também pode fazê-lo em uma fábrica, em sua própria residência, ou em qualquer outro lugar na face da terra.
O evangelismo de alistamento consiste na tentativa de induzir uma pessoa não convertida a matricular-se para receber instrução na Palavra de Deus.
Esse tipo de evangelismo também usa o método das visitações, mas o evangelismo de alistamento de forma alguma pode ser reputado como conquista de almas.
Geralmente é apenas uma visita, na qual se convida alguém a assistir e a matricular-se numa classe de estudos da Bíblia.
Assim sendo, há evangelismo de alistamento desempenhado por meio de visitas.
Também há conquista pessoal de almas, geralmente feita através de visitações, que pode, todavia, ser realizada em qualquer lugar.
O evangelismo pessoal, portanto, nunca deve ser chamado de evangelismo de visitação. Só há duas formas de evangelismo
Em realidade só há duas duas formas de evangelismo:

EVANGELISMO PESSOAL E EVANGELISMO IMPESSOAL

Naturalmente que toda modalidade de evangelismo, exceto o evangelismo pessoal, consiste de evangelismo impessoal!;
A prédica é impessoal.
Todo evangelismo em massa é impessoal.
Evangelismo por meio de filmes, da literatura, do rádio, da televisão todas essas formas são totalmente impessoais, tanto para o que fala como para os que ouvem.
O evangelismo de alistamento relação abstraia entre o mestre e os alunos é igualmente impessoal.
Isso significa apenas que virtualmente todo o evan¬gelismo que se vem fazendo na América não tem qualidade pessoal alguma.
Não há qualquer contacto individual.
E no entanto, o cristianismo é pessoal !
O evangelismo tem de ser pessoal.
Como podemos mostrar nosso afeto, de pé sobre um púlpito, "pregando" na direção de um homem que está assentado trinta metros distante de nós ?
Como qualquer de nós pode realmente esperar exibir a prova mais eficaz do cristianismo a prova do interesse humano, do amor e da paz pessoal a menos que o transmitamos de pessoa para pessoa ?
O homem perdido tem de aceitar, pela fé, que o pregador ou mestre realmente tem amor, alegria e paz. Porém, se o pregador entrar na casa daquele, derrama perante êle o seu coração e à viva voz lhe dirige a Palavra, então o indivíduo sem Cristo pode perceber e sentir a personalidade do crente.
Assim o crente estará demonstrando seu amor, sua alegria, sua paz.
Nesse caso, pregar se torna praticar.
Nessas ocasiões podemos dizer quão maravilhoso é alguém ser um crente. Ficamos expostos ao juízo dos outros, para que vejam se somos realmente como dizemos ou não. Pois os outros sempre vêem e ouvem o evangelho de maneira muito abstrata e impessoal. O descrente só pode perguntar: "Já que é assim tão maravilhoso, por que não há um pouco mais de toque pessoal nos discípulos de Cristo ?"
Deixemos de lado o que é abstrato no evangelismo !
Somente o evangelismo pessoal pode demonstrar o âmago verdadeiro e o valor real do evangelho.
Já temos desfrutado de mil e oitocentos anosi de evangelismo impessoal.
Basta.
Já demonstrou o seu valor.
Agora é a vez de reintroduzirmos, em escala vultosa e mundial, a verdadeira expressão e única demonstração real de que o evangelismo que pregamos é verdadeiro. . .
O evangelismo no nível pessoal !


Capítulo 2

LIMITAÇÕES DO EVANGELISMO EM MASSA

Há apenas uma coisa errada no evangelismo em massa:
nunca é feito em doses suficientes!
O alvo deste capítulo não é o de salientar os problemas do evangelismo em massa, pois há grande necessidade de maior empenho no mesmo.
Mas a finalidade agora é a de anotar suas limitações.

1. O evangelismo em massa não pode conquistar o mundo para Cristo
O primeiro e maior teste para qualquer conceito de evangelismo é:
pode êle conquistar o mundo inteiro para Cristo ?
O evangelismo em massa não o pode.
Número relativamente limitado é o das pessoas que se levantará e sairá de suas casas a fim de ouvir um pregador.
Senão acharmos um meio de induzir cada pessoa do mundo a sair deliberadamente para ouvir a mensagem do evangelho, será impossível ao evangelismo em massa evangelizar o mundo.

2. O evangelismo em massa tem capacidade limitada de propagar o evangelho da maneira mais clara possível!
Qualquer ministro pode testificar de haver proclamado do púlpito, repetidamente:
"A salvação é grátis... ter uma vida decente não salva a ninguém... ninguém pode merecer ir para o céu com suas próprias obras, pois é um presente", para em seguida ter descido do púlpito e haver perguntado a um descrente qualquer por que êle não aceitou a Cristo e à salvação, recebendo então como resposta:
"Bem, não preciso fazer isso.
Levo uma vida decente!"
É difícil transmitirmos a mensagem a uma pessoa distante de nós trinta metros, especialmente quando está escondida entre uma multidão de outras pessoas.
Algo de artifical e de intangivelmente abstrato ocorre quando qualquer ministro sobe ao púlpito.
Imediatamente o ouvinte se muda para um mundo irreal.
Como bem sabemos, grande parte do auditório inconscientemente muda sua mente para a posição "neutra".
Certo pastor da costa do Pacífico relatou o encontro que teve com um jovem no saguão do templo, imediata¬mente após o culto da manhã.
Depois de conversar por um pouco com o moço, descobriu que êle frequentava fielmente às reuniões por muitos anos.
Por alguma razão, o pastor não o conhecia.
Ao indagar se êle era crente, o jovem respondeu negativamente, explicando que queria sê-lo, mas não sabia como alguém se torna crente.
O pastor admirou-se de que apesar do moço vir assistindo aos cultos durante tantos anos, nada sabia acerca da salvação.
Mas, era a pura verdade.
O pastor, sentando-se ao lado do rapaz, explicou-lhe algumas passagens das Escrituras, e o jovem sem tardar aceitou a Cristo em sua vida.
Daws Trotman, fundador dos Navegadores, falou em igrejas por toda a parte ocidental dos Estados Unidos da América, apresentando a seguinte proposição:
"Para quem puder dizer-me cinco declarações ou pontos expostos pelo pastor, no ano passado, darei dez dólares".
Incrível?
Muitos tentaram, mas ninguém o conseguiu !
Triste é dizê-lo, mas as pessoas no auditório geral¬mente não ouvem nossos sermões, e esses são logo esquecidos por aqueles que os escutam.

3.O evangelismo em massa é impessoal.

Como já declaramos, o evangelismo em massa nunca pode transmitir o ardor, a afeição, a alegria, a paz e a solicitude como se verifica num encontro pessoal.
Todas essas qualidades são indispensáveis para que transmitamos as riquezas de Jesus Cristo.

4. Os resultados do evangelismo em massa não podem perdurar

O evangelismo em massa, devido à sua própria natureza, precisa ser esporádico.
Não se pode manter sua média numérica.
Toda campanha evangelística deve ter data marcada para terminar.
Por essa razão aceita-se como algo natural e necessário ter grandes derramamentos do Espírito Santo e grandes colheitas de almas. . . duas ou três vezes por ano, quando a igreja se lança numa cruzada.
Pastores dos estados do sul dos Estados Unidos geralmente dizem que nas igrejas rurais "só pode haver conversões na terceira semana de agosto. . .
porque é nessa época que sempre há cultos de avivamento".
Os resultados dessa tradição são inumeráveis. Mostram, para o mundo, como a nossa maneira de pensar é frívola.
Quantos dos incrédulos nos têm confiado:
"Essa gente da igreja só se interessa por mim três semanas antes de alguma campanha".
Tais períodos de "refrigério" e de "avivamento" nos dão, igualmente, um cristianismo de "montanha russa" num dia sobe, e no seguinte, desce.
Mas não foi planejado para ser assim, como bem sabemos!!
Não se trata tanto de alguma falha no evangelismo em massa, mas é que não há meio de manter o evangelismo e suster o espírito de avivamento.
Só pode continuar enquanto houver conversões constantes de almas, semana após semana. E isso o evangelismo em massa não pode fazer.
Ainda não descobrimos de novo o segredo da Igreja do primeiro século, que podia afirmar:
" .. . acrescentava-lhes o Senhor dia a dia, os que iam sendo salvos"*

5. O crente individual não pode participar

O evangelismo em missa facilita o "cristianismo de espectadores".
Realmente, nada há a fazer senão ficar sentado e ouvir.
O crente individual tem pouquíssima oportunidade de ser utilizado como instrumento do Espírito Santo. . . e assim lhe é vedado qualquer crescimento verdadeiro em Cristo. Mais ou menos tudo quanto pode fazer, no meio da maré do avivamento, é "ouvir o evangelista".
Isso representa pouco demais. Certamente que isso não basta para manter o avivamento, uma vez que se afaste o evangelista.
O evangelismo em massa não pode cumprir o mandamento bíblico que diz:
"tornai-vos, pois, praticantes da palavra, e não somente ouvintes..."
(Tiago 1:22).
Uma outra palavra poderíamos acrescentar acerca do evangelismo em massa.
Tem a tendência de cair no desuso, após certo tempo.
Desde que o evangelismo em massa foi redescoberto, por João Wesley, tem estado sujeito a altos e baixos.
Contudo, a volta do evangelismo em massa geralmente tem sido acompanhada por grande e vasto avivamento na Igreja.
É por isso que inconsciente associamos o "avivamento" com o evangelismo em massa.
De algum modo concluímos que só pode haver "avivamento" por meio do evangelismo em massa.
Vinculamos toda a questão do "avivamento" com a pregação da Palavra.
Todo o nosso raciocínio "deslumbrado" sobre os avivamentos tem estado ligado à pregação da Palavra.
Contudo, convém que nos lembremos que nunca jamais temos visto um vasto ressurgimento do evangelismo pessoal.
Pelo menos não durante os últimos mil e oitocentos anos.
É possível que o evangelismo pessoal também pudesse ser usado como instrumento para inaugurar e dar sequência a um avivamento, tanto quanto o evangelismo em massa tem sido usado nos duzentos anos desde que toi restaurado.
___________
* Atos 2:47.

É possível que Deus tenha um instrumento ainda maior e mais poderoso para promover um avivamento, e sobre o qual nunca pensamos e que certamente nunca experimentamos.

Nenhum comentário: