CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA

CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA
CIRCULO DE ORAÇÃO DE SOROCABA - SEDE

18 de mar de 2010

Zelo ao Senhor!

Uma das qualidades indispensáveis na vida dos servos do Senhor é o “Zelo”; ela manifesta-se no ardor, na afeição e no cuidado extremo por Deus e Sua obra.
É um estado de vida que leva-nos a renunciar o “eu”, os planos próprios e os sonhos cultivados ao longo de uma vida.
O zelo ao Eterno obriga-nos a colocá-Lo em primeiro lugar em detrimento da nossa própria vida.
Pois, o que nos importa é satisfazer àquele que nos chamou e agraciou com a salvação. Sejamos, pois zelosos!

A vida dos salvos é marcada pela total entrega, já não somos nossos, vivemos para a honra e glória única do Salvador.
O que leva-nos a agir desta forma é o
(1) amor que é gerado nos corações, que sensíveis ao Espírito procuram
(2) obedecer às determinações divinas,
(3) confiantes que são passos seguros e que produzem
(4) intimidade que culmina com a vida eterna.

1- O Zelo leva-nos a amar a Deus.
“Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.”
Dt 6.5

Um dos maiores geradores de fracassos na vida de comunhão com Deus está relacionado ao amor.
O Ensinamento encontrado na Palavra orienta-nos a amar o Senhor acima de tudo. Literalmente significa, que todas as demais coisas devem vir em segundo plano, por exemplo: a família, vida profissional, a igreja, os problemas de todas as ordens, o conforto pessoal, etc.
Vidas fracassadas espiritualmente questionam e até acusam ao Senhor pela situação; mas, não abrem mão de forma alguma do amor próprio e dos atos que produzem prazer. Não dispõe de tempo para pregar aos perdidos, mas, sempre é possível encaixar os passeios, as diversões, etc; dar dízimo e ofertas, ajudar o próximo, o orçamento não suporta; no entanto, a carne alegra-se com tv a cabo, geladeira repleta, roupas novas, etc.
Poderia citar uma diversidade de exemplos de como o amor ao Senhor está em segundo plano, mas, creio que estes são o suficiente.
O Apostolo Paulo quando chamado pelo Senhor, abandonou todas as coisas, inclusive, o amor à própria vida e deixou-se levar pelo Espírito sem preocupar-se com as conseqüências
(2Co 11.16-33 Leia!)
Amar o Senhor de todo o coração é morrer para o mundo, para si mesmo.
No entanto, desempenhando as funções diárias, trabalhando.
Consciente que tudo isto é passageiro.
A vida é instrumento para a demonstração do senhorio de Cristo, testemunhando ao mundo que é maravilhoso servir ao Eterno.

2- O Zelo leva-nos a obedecer a Deus.
“Felizes os que guardam os mandamentos de Deus e lhe obedecem de todo o coração!”
Sl 119.2

Quem ama a Deus O obedece.
É impossível sermos servos verdadeiros se não houver em nosso coração a submissão e humildade que leva-nos a obedecer a Deus em todos os aspectos possíveis.
Um dos maiores mandamentos é:
“Sede santos, porque eu sou santo.”
(1Pe 1.16), observar esta ordem implica em eliminar as ações pecaminosas da carne, como por exemplo as descritas em Gálatas 5.19-21:
“Ora, as obras da carne são conhecidas e são:
prostituição (Figuradamente, infidelidade a Deus (Jr 3.6-13; Ez 16.1-41).
Comércio sexual do corpo (Os 1.2; Gl 5.19).
A prostituição cultual era praticada na adoração aos deuses da fertilidade, (ASTAROTE e BAAL).
Pensava-se que relações sexuais com prostitutas ou prostitutos fariam com que as terras produzissem boas colheitas e os animais tivessem muitas crias (Dt 23.17-18; 2Rs 23.7), impureza (No aspecto sexual, imoralidade, pensamentos, ações, etc.), lascívia ( Conduta vergonhosa, como sensualidade, imoralidade sexual, libertinagem, luxúria (Mc 7.22; Gl 5.19), idolatria (Adoração de ÍDOLOS.
Deus proíbe a adoração de qualquer imagem, seja de um deus falso ou do Deus verdadeiro (Êx 20.3-6).
As nações que existiam ao redor de Israel eram idólatras, e Israel muitas vezes caiu nesse pecado (Jr 10.3-5; Am 5.26-27).
Entre outras, eram adoradas as imagens de BAAL, ASTAROTE e MOLOQUE e o POSTE-ÍDOLO.), feitiçarias (Forma de MAGIA em que se usam certos atos e palavras e a invocação de espíritos ou demônios a fim de prever o futuro ou controlar pessoas ou acontecimentos
É prática proibida na Bíblia (1Sm 15.23; Gl 5.20), inimizades (Falta de amizade; aversão, malquerença), porfias (Discussão; briga.), ciúmes (Disposição de suspeitar da fidelidade da pessoa amada.
Esse tipo de ciúme é doentio e só faz mal (Ct 8.6; 1Co 13.4), iras (Cólera, raiva, indignação, desejo de vingança), discórdias (Desarmonia, desentendimento, desinteligência, desavença, desordem, luta), dissensões (Divergência de opiniões ou de interesses, desavença, desinteligência, dissidência), facções (Parte divergente ou dissidente de um grupo ou partido; fração), invejas (Desgosto ou pesar pelo bem ou pela felicidade de outrem, desejo violento de possuir o bem alheio.), bebedices (Estado de bêbedo, de quem se embriagou; bebedice, borracheira, pileque, porre, ato de embebedar-se, de embriagar-se.), glutonarias (Excesso em comer ou beber; esganação) e coisas semelhantes a estas...”

3- O Zelo leva-nos a confiar em Deus.
“Confie no SENHOR de todo o coração e não se apóie na sua própria inteligência.”
Pv 3.5

Dificilmente encontramos alguém que afirma não possuir fé em Deus.
Mas, o que é verdadeiramente confiar em Deus?
Total dependência!
Crê no Senhor traduz-se numa convicção tão profunda quanto a certeza que temos que o “fogo é quente e queima!”
Abraão possuía esta convicção e ela foi exercitada até as últimas conseqüências. Provando-o, Deus pediu o seu único filho em sacrifício, era o objeto das promessas que moviam a sua vida.
Qual foi a atitude dele?
Desespero?
Preocupações?
Murmúrios?
Revolta contra o Senhor?
Lamentos intermináveis?
Não, ele CONFIOU!
Estava certo que mesmo se Isaque fosse sacrificado o Eterno seria poderoso o suficiente para ressuscitá-lo dentre os mortos e honrar as promessas (Foi pela fé que Abraão, quando Deus o quis pôr à prova, ofereceu o seu filho Isaque em sacrifício. Deus tinha prometido muitos descendentes a Abraão, mas mesmo assim ele estava pronto para oferecer o seu único filho em sacrifício.
Deus lhe tinha dito:
“Por meio de Isaque é que você terá descendentes.
” Abraão reconhecia que Deus era capaz de ressuscitar Isaque, e, por assim dizer, Abraão tornou a receber da morte o seu filho Isaque.
Hb 11.17-19).
Abraão era zeloso para com o seu Deus.
Irmãos, quantas vezes a nossa afeição a Deus é real enquanto as coisas estão bem? Mas, nas primeiras provações viramos literalmente as costas, e tornamo-nos fonte de toda sorte de lamúria, queixas, murmúrios, etc.
É a demonstração real que o zelo que temos para com o Pai é mínimo ou até mesmo inexistente.
Estes são homens dignos de serem imitados:
“Mais ou menos à meia-noite, Paulo e Silas estavam orando e cantando hinos a Deus, e os outros presos escutavam.”
(At 16.25)

4- O Zelo leva-nos a orar a Deus.
“Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração.”
Jr 29.13

Oração é um dialogo com Deus por meio de palavras ou do pensamento, em particular ou em público.
É o momento no qual nos aproximamos e a exemplo de amigos íntimos, conversamos com o Pai, nos alegramos com Ele, expomos nossos desejos e também as nossas tristezas.
Para sermos atendidos é essencial que sejamos puros (“Mas, se eu tivesse guardado maus pensamentos no coração, o Senhor não teria me ouvido”.
Sl 66.18), cheios de fé (“De fato, sem fé é impossível agradar a Deus.”
Hb 11.6), um em Cristo (“Se vocês ficarem unidos comigo, e as minhas palavras continuarem em vocês, vocês receberão tudo o que pedirem.”
Jo 15.7), submissos à vontade de Deus (“Quando estamos na presença de Deus, temos coragem por causa do seguinte:
se pedimos alguma coisa de acordo com a sua vontade, temos a certeza de que ele nos ouve.”
1Jo 5.14) e dirigidos pelo Espírito Santo (“Vós, porém, amados, edificando-vos na vossa fé santíssima, orando no Espírito Santo.”
Jd 1.20)
Através da oração confessamos os nossos pecados (Sl 51) e nos jogamos a seus pés em adoração (Sl 95.6-9; Ap 11.17); desenvolvemos comunhão e intimidade (Sl 103.1-8), fazemos pública a nossa gratidão (1Tm 2.1).
São momentos nos quais apresentamos as nossas petições (2Co 12.8) e intercedemos pelos outros (Rm 10.1).

Irmãos amados sejam, pois, zelosos na jornada, amando ao Senhor acima de todas as coisas e honrando-o com a nossa vida.

Nenhum comentário: